A HMD Global, empresa que produz os celulares com a marca Nokia desde ano passado, anunciou uma série de novos aparelhos, atualizando a linha de smartphones revelados em 2017. Os novos modelos buscam atender especialmente o mercado de baixo custo.

Os aparelhos em questão são os Nokia 2.1, o Nokia 3.1 e o Nokia 5.1, que têm o mesmo preço de seus antecessores (todos eles sem o “.1” no final), com algumas mudanças importantes.

publicidade

Com a nova geração, os modelos 3.1 e 5.1 seguem a tendência do momento de telas mais esticadas, no aspecto 18:9, que também já foi visto no intermediário Nokia 7 Plus, levando essa característica, que um dia foi exclusivo de tops de linha, a aparelhos de baixo custo.

A Nokia ainda manteve o compromisso de atualizações rápidas para seus celulares. Tanto o 3.1 quanto o 5.1 fazem parte do programa Android One, que utiliza Android puro e conta com atualizações controladas diretamente pelo Google, o que significa que atualizações chegam basicamente ao mesmo tempo que os aparelhos Pixel. Já o 2.1 faz uso do Android Go, que também é controlado pelo Google, mas é uma versão mais limitada do sistema, voltada justamente para aparelhos de baixo desempenho.

Nokia 5.1

Reprodução

O mais poderoso entre os novos aparelhos, o aparelho tem uma tela de 5,5 polegadas com resolução Full HD+ (2160×1080), com proporção 18:9. Ele utiliza um chipset MediaTek Helio P18 com oito núcleos operando a até 2,0 GHz, com opções de 2 GB de RAM e 16 GB de armazenamento ou 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento interno, com entrada para cartão microSD. A câmera traseira tem 16 megapixels, enquanto a frontal tem 8 MP, enquanto a bateria tem 2.960 mAh, com leitor de impressão digital na traseira. O aparelho chega em julho à Europa com preço sugerido de 190 euros pela versão mais simples e 220 euros pelo modelo mais avançado.

Nokia 3.1

Reprodução

O Nokia 3 foi o modelo de maior sucesso da HMD, então o 3.1 chega com uma missão importante. O aparelho ganhou uma tela de 5,2 polegadas com resolução HD+ (1440×720), com um processador MediaTek MT6750, com oito núcleos operando a 1,5 GHz. Como o 5.1, ele chega em duas versões, de 2 GB de RAM e 16 GB de armazenamento ou 3 GB de RAM e 32 GB de armazenamento. Em relação a câmeras, ele conta com um sensor traseira de 13 megapixels e um frontal 8 MP, enquanto a bateria é de 2.990 mAh.

O Nokia 3.1 de 2 GB de RAM custará 140 euros, enquanto a versão de 3 GB de RAM custará 170 euros.

Nokia 2.1

Reprodução

O celular mais simples da nova leva se destaca pela grande bateria de 4.000 mAh, o que, aliado a componentes de baixo desempenho e, consequentemente, baixo consumo de energia, deve garantir uma boa autonomia de uso ao smartphone.

É o único dos novos aparelhos usando um processador Snapdragon, mais especificamente o modelo 425, com quatro núcleos operando a 1,4 GHz. O aparelho tem um formato um pouco mais convencional, com uma tela HD (1280×720) em um aspecto 16:9. O modelo tem 1 GB de RAM, deficiência compensada pelo Android Go, que é mais limitado justamente para se adequar a celulares de baixo desempenho. Além disso, ele tem 8 GB de armazenamento interno, uma câmera traseira de 8 megapixels e frontal de 5 MP.

O preço estimado do Nokia 2.1 é de US$ 115.