EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Você quer se dedicar a ler mais, mas livros físicos são muito caros, pesados e difíceis de transportar. Então você decide apostar em e-books e começa a baixar alguns no seu celular. Mas logo percebe que a tela brilhante e a taxa de atualização do display estão deixando sua visão cansada. O que fazer?

A próxima etapa de muitas pessoas é comprar um e-reader. Estes dispositivos são como livros eletrônicos, uma espécie de tablet bem básico capaz de reproduzir e-books onde você estiver. A tela usa tecnologia E-Ink, um tipo de “papel digital” sem brilho excessivo e que não cansa os olhos.

publicidade

Mas são tantas opções no mercado que é difícil escolher. A Amazon vende atualmente três: o Kindle, o Kindle Paperwhite e o Kindle Oasis. Já a Livraria Saraiva oferece o Lev Fit e o Lev Neo. E tem também a Rakuten, responsável pelo Kobo, que é vendido no Brasil por meio da Livraria Cultura.

Como escolher o e-reader ideal? Confira a seguir os pontos que devem chamar a sua atenção antes de comprar um destes.

1. Iluminação embutida

A primeira coisa que você precisa se perguntar antes de comprar um e-reader é: “eu pretendo ler no escuro?”. Se a resposta for “sim”, vale a pena procurar um aparelho com iluminação embutida. Os modelos com esse recurso são o Lev Neo (Saraiva), Kindle Paperwhite e Oasis (Amazon) e todos os modelos do Kobo.

publicidade

Vale destacar que a iluminação embutida torna o aparelho naturalmente mais caro. Uns têm quatro, outros têm seis lâmpadas de LED. Quanto mais luzes, maior o brilho máximo e, novamente, mais caro o produto fica. Portanto, certifique-se de que você vai mesmo ler no escuro antes de comprar um destes.

2. Resolução não é tão importante

Ao comparar modelos de Kindle, Lev e Kobo, você verá que alguns possuem telas de de 167 ppi e outros de 300 ppi, por exemplo. Esta sigla significa “pixels per inch”, ou “pixel por polegada”, e representa a resolução total da tela. Quanto maior o ppi, maior a resolução.

Mas não se engane: resolução não é tão importante numa tela e-ink. Como o display não é de vidro como o de smartphones e você vai visualizar pouca coisa além de texto simples, a diferença entre resolução HD ou inferior é quase imperceptível. No máximo, você verá alguma diferença na exibição das capas, mas pouco além disso.

3. Botões físicos

Os e-readers da Saraiva e o Kindle Oasis são as únicas opções no Brasil com botões físicos de controle de navegação. No Lev Fit, Lev Neo e no Kindle Oasis, você pode apertar um botão na direita ou na esquerda para trocar de página. O recurso é últil, mas também deixa os produtos mais caros.

Faz muita diferença? Não tanto. Se você comprar um e-reader sem botões, a troca de página é por toque na tela. Ele pode impedir alguns toques acidentais, mas, por outro lado, um botão físico é mais uma peça que pode quebrar ou dar problema com uso excessivo, além de ser mais uma porta de entrada para poeira e água. Dá para se acostumar tranquilamente a uma navegação sem eles.

4. Suporte a formatos diferentes

O Kindle é o e-reader mais popular, mas o menos democrático na hora de abrir diferentes arquivos. Nem todos os modelos têm suporte a PDF, por exemplo, uma extensão muito usada por estudantes e universitários. Via de regra, o Kindle dá preferência a arquivos AZW3, AZW e MOBI.

O dispositivo não tem suporte a arquivos EPUB, por exemplo. Se você quiser abrir itens desta extensão, terá de fazer uma conversão. Já o Lev, da Saraiva, abre qualquer formato de uso comum, menos aqueles que são proprietários da Amazon, como AZW e AZW3.

5. Peso

A grande vantagem de um e-reader sobre o livro físico é a praticidade. Um aparelho como este ocupa bem menos espaço e pesa menos na bolsa ou na mochila do que um livro completo de 600 páginas e capa dura. Você pode levar um Kindle, um Lev ou um Kobo para qualquer lugar sem se preocupar.

O peso dos e-readers varia de um para outro, porém. O Kindle Paperwhite, por exemplo, é nitidamente mais pesado que o Lev Neo (que também tem luz embutida) ou do que o Kindle básico, sem luz. Em tese, são apenas 56 gramas que separam o Kindle de 8ª geração do Kindle Paperwhite, mas a diferença é nítida.