Junto do novo Mac Pro, a Apple também revelou o sistema operacional que será usado pelo seu desktop: o novo MacOS 10.15, batizado de Catalina, seguindo a tradição de nomear atualizações de software com base em regiões da Califórnia.

O destaque do dia é o projeto Catalyst, que permite a instalação de aplicativos de iPad no Mac, aproximando ainda mais o iOS (agora chamado de iPadOS nos tablets) e o MacOS. Não se sabe quantos desenvolvedores pretendem fazer uso da funcionalidade, mas ao menos o Twitter já está confirmado entre os principais apps.

publicidade

Aproximando ainda mais o iPad do Mac, a Apple também introduziu uma nova função chamada Sidecar, que permite usar o tablet como uma tela secundária para Macbooks e iMacs, o que é útil para quem gosta de trabalhar com dois monitores. Até então já havia aplicativos que faziam isso, mas agora o recurso é nativo do sistema operacional.

Junto do novo sistema, a Apple anunciou o fim do iTunes como um aplicativo central do sistema. Em seu lugar, a empresa lançou apps para o Apple Music, um novo aplicativo para Podcasts e outro para Apple TV.

Na área de acessibilidade, o MacOS Catalina ganhou suporte a comandos de voz, o que deve facilitar o uso do sistema operacional para pessoas com dificuldade em movimentar as mãos para digitar ou usar um mouse. É possível abrir ou fechar apps, digitar e realizar múltiplas ações sem qualquer tipo de interação manual com o computador.

Por fim, a Apple anunciou a junção das funções “Find My Friends” e “Find My iPhone” em um só aplicativo chamado “Find My”, que será disponibilizado tanto no iOS quanto no Mac. A empresa também implementou um sistema de bloqueio que não permite que o Mac seja ligado em caso de roubo, que visa desencorajar esse tipo de crime.

O novo MacOS foi disponibilizado para testes de desenvolvedores nesta segunda-feira, 3. A Apple planeja lançar a versão beta pública do sistema operacional em julho.