EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Polícia Federal (PF) deflagrou, hoje (4), a Operação Singular de combate à criminalidade cibernética. A partir de técnicas de investigação digital, usadas pela PF na deep web (a camada da internet que não pode ser acessada por mecanismos de busca, como o Google, por exemplo), chegou-se a uma organização criminosa com abrangência nacional, integrada por inúmeras pessoas — sete das quais identificadas como líderes.

Foram cumpridos cinco mandados de busca e apreensão e cinco de prisão preventiva, nos estados de São Paulo, Rio Grande do Sul e Ceará. Um dos investigados permanece foragido. O principal crime cometido é a fraude bancária eletrônica, com o roubo de dados de cartões de crédito e sua posterior revenda.

publicidade

Foi identificado que um dos hackers da quadrilha invadiu o sistema informático de uma grande empresa responsável pela elaboração de concursos e cobrava valores em criptomoedas para aprovar candidatos que conseguissem chegar à segunda fase do certame. O crime de formação de organização criminosa prevê pena de 3 a 8 anos de reclusão. Já o furto de cartões de crédito prevê de 2 a 8 anos de prisão. Por fim, o crime de invasão de dispositivo informático, tem pena de 1 a 4 anos de detenção.

Fonte: Agência Brasil