EnglishPortugueseSpanish

O Brasil é o país que mais está conectado nas redes sociais em toda a América Latina. Cerca de 88% da população brasileira acessa o YouTube, Facebook, Twitter, Instagram, Snapchat, Pinterest e Linkedin. Superamos as taxas da Argentina — não só nesse quesito —, que bate os 83%, e do México, de aproximadamente 80%. Os números são da última pesquisa da Comscore, divulgada nesta sexta-feira. O relatório é referente aos dados do último mês de abril. 

Reprodução

publicidade

Consumo de cada rede social no Brasil, em milhões de pessoas

A faixa etária mais conectada é formada, supreendentemente para alguns, por adultos com mais de 45 anos (27%). Na sequência, aparecem as pessoas de 25 a 34 anos (25%).

Grande parte dos acessos em nosso país tem sido feita por meio de dispositivos móveis. São mais de 68 milhões de brasileiros que usam exclusivamente seus celulares para navegar nas redes sociais. 

Reprodução

publicidade

Número de acessos, em milhões 

Levando em conta o acesso por aplicativo e browser, o caso de maior sucesso é o WhatsApp, que alcança 85% entre os usuários de aplicativos de mensagens. O Facebook Messenger chega a 50% em desse público, nas mesmas condições. 

A forte presença dessas plataformas no dia a dia dos brasileiros há muito já chamou a atenção do mercado. Como resultado, marcas tradicionais apostam no engajamento gerado pelas redes sociais para ações, campanhas e lançamentos. 

O Brasil é o país com a maior quantidade de conteúdos pagos (38%) da América Latina, à frente do México (24%), Argentina — de novo — (20%) e Chile (20%). O Instagram gera a maior taxa de engajamento com os conteúdos (74%), seguido pelo Facebook (21%) e Twitter (5%).

“As redes sociais se converteram em plataformas de alcance transversal e multiplataforma. Isso impulsiona o crescimento de um mercado publicitário pujante. Portanto, é essencial desenvolver métricas que permitam detectar e interpretar as principais tendências de usuários e consumidores. O branded content, vídeos e celular são três formatos que ganham força em nosso país em tudo e no mundo”, completa Eduardo Carneiro, diretor da Comscore Brasil.