A sonda japonesa Hayabusa2 fez um segundo pouso precisamente planejado em um asteroide chamado Ryugu na última quarta-feira (10/07). Não só tudo correu como esperado, como agora os pesquisadores têm as melhores fotos já feitas da superfície de um asteróide. A tentativa, por si só, é uma conquista emocionante, mas não saberemos ao certo se a sonda coletou amostras com sucesso até retornar no próximo ano.

“A partir dos dados enviados da Hayabusa2, foi confirmado que a sequência de aterrissagem, incluindo a descarga de um projétil para amostragem, foi concluída com sucesso”, anunciou a Agência de Exploração Aeroespacial do Japão (JAXA) em um comunicado divulgado. 

publicidade

Esta é a segunda vez que a Hayabusa2 visitou a superfície de Ryugu – um asteroide de 870 metros de largura localizado a 300 milhões de quilômetros do nosso planeta. O primeiro pouso aconteceu em fevereiro passado, durante o qual a sonda disparou um projétil sobre a superfície de Ryugu, que levantou o material e tornou a coleta de uma amostra mais fácil.

Reprodução

Agora, a segunda visita tentou coletar elementos da subsuperfície, o que nunca havia sido feito antes. Em abril, a sonda disparou um “impactor”, espécie de bala de cobre, na superfície de Ryugu, que produziu uma cratera artificial cercada por material subterrâneo. Este é precioso para os cientistas, pois é protegido contra os efeitos do intemperismo do espaço, incluindo os efeitos dos raios cósmicos e das partículas carregadas que saem do sol. Estas amostras podem lançar uma nova luz sobre as origens do sistema solar e como ele era há bilhões de anos.

Esta missão foi a última grande operação a ser realizada pela Hayabusa2, antes de sua jornada de volta à Terra. A sonda deve retornar no final do próximo ano com suas amostras.

Foi dito pela agência que os cilindros de amostra serão depositados na atmosfera da Terra para reentrada, mas a sonda em si permanecerá no espaço. Consequentemente, a JAXA está contemplando uma missão estendida, na qual a Hayabusa2 poderia ser despachada para visitar outro asteroide.

Via: Gizmodo / TechCruch