EnglishPortugueseSpanish

A Apple vai facilitar que empresas independentes ofereçam serviços de reparo em iPhones. Ainda assim, não é qualquer um que poderá fornecer os serviços. Para isso, a oficina deve primeiro obter uma certificação da Apple, e só então passar a oferecer os reparos considerados “mais comuns” do iPhone, como problemas de bateria e defeitos de áudio e telas, tudo fora da garantia.

Já processos mais trabalhosos como reparos na placa mãe e danos causados por contato com água continuam sob responsabilidade da própria Apple. Peças, ferramentas, manuais de reparo, treinamentos profissionais e diagnósticos originais dos provedores de serviços autorizados da Apple (AASP) estarão à disposição dos fornecedores. Antes da mudança, era cobrada uma taxa para solicitar a certificação AASP. Mas, a partir de agora, a empresa não vai mais cobrar para aqueles que queiram obter o certificado. Outra vantagem é a liberdade das oficinas de definir o preço dos seus reparos.

publicidade

O diretor de operações da Apple, Jeff Williams, disse que a decisão visa facilitar a vida de seus clientes ampliando os lugares onde podem conseguir reparos de qualidade em seus produtos, com a certificação adequada e peças originais.

“Para melhor atender às necessidades de nossos clientes, estamos facilitando que provedores independentes em todo os EUA utilizem os mesmos recursos que nossa rede de Provedores de Serviços Autorizados da Apple. Quando um reparo é necessário, o cliente deve ter confiança de que ele será feito corretamente. Acreditamos que o reparo mais seguro e confiável seja realizado por um técnico treinado, usando peças genuínas e que foram devidamente projetadas e rigorosamente testadas”, disse Jeff Williams.

Há algum tempo a Apple vem sofrendo críticas em relação a sua política restritiva de reparos de hardware. No ano passado, a empresa dificultou o reparo de seus computadores através de terceiros e chegou, inclusive, a processar um reparador norueguês por usar peças de reposição em seus aparelhos, mas perdeu o caso.

Fonte: TNW