Um grupo de cientistas das Universidades de Yale e Oxford descobriu que se exercitar constantemente é muito mais importante para a saúde mental das pessoas do que ter uma boa situação financeira.

Para chegar a essas conclusões, os pesquisadores se dedicaram a estudar um grande número de pessoas que praticam esportes regularmente, comparando-as com outras que normalmente não praticam.

publicidade

Além disso, a equipe observou que existem certas atividades físicas que envolvem maior socialização, o que pode ter efeitos positivos ainda maiores na saúde mental das pessoas.

Os cientistas enfatizaram que, em geral, o esporte tem maiores efeitos a longo prazo na saúde mental de uma pessoa em comparação com o dinheiro. A pesquisa foi publicada no The Lancet e mostra detalhes da coleta de dados de um grande número de pessoas estudadas. Foram analisados o comportamento físico e o estado mental de 1,2 milhão de americanos.

Para desenvolver o método de pesquisa, foi solicitado a todos os participantes que respondessem uma pergunta específica. Quantas vezes você se sentiu doente mentalmente nos últimos 30 dias, por exemplo, devido a estresse, depressão ou problemas emocionais?

Depois disso, foi perguntado sobre a renda dos participantes, além de escolher entre mais de 75 tipos diferentes de atividade física, quais preferiam. Entre as opções estavam levantamento de peso, ioga, andar de bicicleta ou cortar a grama.

Os resultados mostram que as pessoas que costumavam se exercitar regularmente costumam se sentir mal durante 35 dias por ano, enquanto as que não praticam exercícios chegavam a 53 dias nos quais se sentiam mal física e emocionalmente.

Um dos resultados que mais chamou a atenção dos especialistas foi que as pessoas que são fisicamente mais ativas se sentem melhores do que aquelas que não praticam esportes e ganham mais de US$ 25 mil (cerca de R$ 105 mil) por ano.

Via: Fayer Wayer