A Uber publicou um relatório de transparência com 84 páginas onde detalha incidentes de segurança relacionados à sua plataforma, ocorridos nos EUA entre 2017 e 2018. De acordo com o documento, neste período ocorreram 464 estupros relacionados à plataforma, além de outros 5.500 casos de violência sexual, incluindo beijos à força e tentativas de estupro.

De acordo com Tony West, diretor jurídico da Uber, nos EUA são realizadas mais de 45 corridas de Uber a cada segundo, e 99,9% delas terminam sem nenhum incidente relacionado à segurança. Dos 0,1% restantes a maioria é relacionada a discussões, freadas bruscas ou comportamento arriscado no trânsito.

publicidade

Apenas 0,0003% do total resulta no que a empresa chama de “incidentes críticos”, como os relatados acima. Segundo o relatório, no geral em 45% dos casos os motoristas são vítimas. Mas nos casos de violência sexual, os passageiros são as vítimas em 92% dos relatos.

A empresa destaca que desde 2017 triplicou o tamanho da equipe responsável por atender incidentes relacionados à segurança, além de recursos de segurança como um “botão de emergência” dentro do app, verificação mais rigorosa de antecedentes dos motoristas, a capacidade de enviar mensagens de texto para serviços de emergência ou, em alguns países, a capacidade de gravar áudio durante as corridas, como precaução.

“A publicação voluntária de um relatório que discute essas questões difíceis de segurança não é fácil”, escreveu West. “A maioria das empresas não fala sobre questões como violência sexual, porque isso arrisca gerar manchetes negativas e críticas públicas. Mas acreditamos que é hora de uma nova abordagem”.

Fonte: CNet