EnglishPortugueseSpanish

A Turquia se tornou o primeiro país a ter um esquadrão de “drones assassinos” equipados com metralhadoras prontos para entrar em serviço. O país recebeu em dezembro os primeiros lotes do Songar, uma aeronave equipada com 8 hélices e uma metralhadora capaz de disparar até 200 tiros de munição 5.56×45mm.

Produzido pela empresa turca Asisguard, o Songar pesa 20 kg, pode voar a até 2,8 km de altura e sua bateria tem autonomia para operação em um raio de até 10 km. Os disparos podem ser feitos em modo único, em rajadas de 15 tiros ou em modo contínuo.

publicidade

A precisão é suficiente para atingir um alvo do tamanho de um humano a uma distância de 200 metros graças a um braço robótico que compensa o recuo da metralhadora e a sensores, incluindo um sensor laser, que compensam oscilações e até mesmo a influência do vento sobre o projétil.

A fabricante afirma estar trabalhando em um novo sistema de estabilização, que tornará possível manter a precisão a uma distância de até 400 metros. Além da metralhadora o Songar é equipado com uma câmera com visão noturna, que transmite imagens para o piloto durante toda a missão. Um único soldado pode controlar o voo e os disparos de até três aeronaves, ou a tarefa pode ser divida entre um, ou mais pilotos e artilheiros.

A Turquia não é o primeiro país a investir na tecnologia de drones armados: nós mesmos já noticiamos um drone chinês que está sendo vendido a países do Oriente Médio. Mas segundo a revista New Scientist, o país é o primeiro a colocar uma aeronave com metralhadora em operação regular em suas forças armadas, uma distinção importante.

O país também investe em tecnologia anti-drones: em agosto de 2018 suas forças armadas usaram uma arma laser de fabricação Turca, montada em um carro de combate, para derrubar um drone produzido pela China e operado pelos Emirados Árabes na região de Misrata, na Líbia. Foi a primeira vez que um laser abateu um drone em um campo de batalha real.

publicidade

Fonte: New Scientist