EnglishPortugueseSpanish

Excelente notícia para fãs dos animes em particular, e para apreciadores do cinema de animação em geral. A Netflix anunciou que fechou um acordo com o Estúdio Ghibli para disponibilizar na plataforma 21 títulos do amado estúdio japonês.

Fundado pelos lendários diretores Hayao Miyazaki e Isao Takahata, o Estúdio Ghibli é considerado a “Disney do Japão”, pela qualidade das suas animações. Entre as obras lançadas pelo estúdio, estão os multipremiados filmes A Viagem de Chihiro, O Castelo Animado, Meu Amigo Totoro e Princesa Mononoke.

publicidade

Os filmes virão em ondas, a partir do dia 1º de fevereiro, começando por O Castelo no Céu (1986), Meu Amigo Totoro (1988), O Serviço de Entregas da Kiki (1989), Memórias de Ontem (1991), Porco Rosso: O Último Herói Romântico (1992), Eu Posso Ouvir o Oceano (1993) e Contos de Terramar (2006).

Na segunda remessa, em 1º de março, entram Nausicaä do Vale do Vento (1984), Princesa Mononoke (1997), Meus Vizinhos, Os Yamadas (1999), A Viagem de Chihiro (2001), O Reino dos Gatos (2002), O Mundo dos Pequeninos (2010) e O Conto da Princesa Kaguya (2013).

Por fim, a partir de 1º de abril, completam a lista Pom Poko: A Grande Batalha dos Guaxinins (1994), Sussurros do Coração (1995), O Castelo Animado (2004), Ponyo – Uma Amizade que Veio do Mar (2008), Da Colina Kokuriko (2011), Vidas ao Vento (2013) e As Memórias de Marnie (2014).

Essa é a primeira vez que o catálogo do Studio Ghibli está disponível por inteiro numa plataforma de streaming. Só no mês passado a empresa começou a vender cópias digitais das obras para download (antes nem isso) e recentemente a WarnerMedia anunciou que havia obtido direitos de transmissão nos EUA para a plataforma HBO Max.

Os  filmes estarão disponíveis para exibição na Ásia, Europa, Oriente Médio, África, Austrália, Nova Zelândia e Américas, todos legendados em 28 idiomas e com dublagem em 20 idiomas (inclusive português).

Uma ausência notável (a única, na verdade), é Túmulo dos Vagalumes (1989), que apesar de ter sido feito por Isao Takahata, seus direitos de reprodução não pertencem ao Ghibli. Takahata faleceu em 2018, aos 82 anos.

Via Variety