EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Vikram Kashyap, fundador e CEO da empresa de análise de resíduos humanos Toi Labs, com sede em São Francisco, teve de tomar uma decisão na vida para poder traçar seu futuro: analisou as próprias fezes

O empresário tem colite ulcerosa, uma doença inflamatória intestinal que causa, dentre diversos sintomas, dores abdominais e sangramentos. A doença é, até agora, incurável, embora seus efeitos possam ser controlados.

publicidade

Para tentar amenizar os problemas, Kashyap decidiu testar tratamentos experimentais em si mesmo, analisando amostras das próprias fezes, com a ajuda de pesquisadores da Universidade da Califórnia, em São Francisco.

Os resultados do estudo foram publicados em 2010, na revista Science, e iniciaram um esforço sério para desenvolver um “banheiro inteligente” que pudesse ajudar as pessoas a monitorar sua saúde.

Como um dos projetos, a Toi Labs desenvolveu o TrueLoo, um assento inteligente que a empresa afirma que pode ser instalado em minutos. O dispositivo usa tecnologia de sensores para analisar o desperdício humano e ajudar usuários idosos e seus cuidadores a monitorar uma variedade de distúrbios urinários e digestivos.

Ao realizar as medições ópticas de resíduos e analisar os dados para detectar sinais de doenças e distúrbios, o TrueLoo pode iedntificar desidratação, infecção por vírus e infecções do trato urinário – um dos problemas mais comuns em idosos. A empresa vai testar o produto este ano, em instalações para idosos na área da baía de São Francisco, e possui planos para lançá-lo no mercado até 2021.

publicidade

Estudos dos hábitos

O laboratório de Kashyap não é o único a pensar no uso de fezes e urina para obter dados de saúde. Na Universidade de Wisconsin, Madison, Joshua Coon e Ian Miller coletaram mais de 100 amostras da própria urina ao longo de dez dias para ver o que isso poderia mostrar sobre os vários fatores de vida adotados pelos jovens, como nutrição, metabolismo, exercícios e padrões de sono.

Algumas das amostras analisadas incluíram furoyl glicina e ácido quinico, marcadores conhecidos do consumo habitual de café e hipoxantina, que mostrou o quanto eles estavam se exercitando. O estudo com os resultados dos testes foi publicado em novembro, na revista NPJ Digital Medicine.

No estudo, Coon e Miller usaram um cromatógrafo a gás, usado para separar e analisar vários compostos em uma amostra, e um espectrômetro de massa, usado para analisar moléculas individuais em uma amostra.

Essas ferramentas poderosas podem monitorar níveis de glicose, distinguir infecções virais e bacterianas e identificar marcadores de inflamação e distúrbios metabólicos. Coon e Miller mediram alguns compostos correlacionados com essas condições de saúde, mas esses estavam saudáveis na época do estudo.

Durante os testes, eles também usaram um Apple Watch para comparar a precisão e a quantidade de dados que poderiam obter das duas fontes. As amostras de urina forneceram dados que os dispositivos “vestíveis” já conhecem – como controle de sono e exercícios – mas também dados não fornecidos, como a quantidade de cafeína consumida e nível de álcool.

Obviamente, comprar cromatógrafos a gás e os espectrômetros de massa é uma opção inviável devido ao alto valor. Entretanto, o Toi Labs aposta na tecnologia de sensores, que não é tão poderosa quanto os equipamentos de nível laboratorial, mas ainda pode fornecer dados suficientes para monitorar o que está acontecendo.

Com várias empresas quase prontas para lançar banheiros inteligentes no mercado, as pessoas em breve terão ainda mais informações em suas mãos para ajudar a orientar suas decisões pessoais de saúde.

“Acho que, no fim das contas, estamos cada vez mais caminhando em direção a um mundo em que as pessoas farão as próprias escolhas de cuidados de saúde”, diz Kashyap. “Eu acho que isso mudará completamente a maneira como os consumidores se envolvem com o sistema de saúde”.

Via: One Zero