EnglishPortugueseSpanish

Uma estimativa feita por Cientistas do Colégio Imperial de Londres afirma que o número de pessoas infectadas com o coronavírus 2019-nCoV pode ser muito maior do que os quase 4,5 mil casos confirmados.

Levando em consideração o tempo de atraso médio de 10 dias entre a infecção e a detecção, e que em média, cada paciente infectou entre 2 e 3 outras pessoas até 18 de janeiro – data do último registro utilizado na pesquisa, com dados da cidade de Wuhan, na China, epicentro do surto.

publicidade

O estudo leva em conta estimativas anteriores do tamanho do surto em Wuhan com a modelagem computacional de possíveis trajetórias epidêmicas. Para os cientistas, as medidas de controle precisam bloquear bem mais de 60% da transmissão para serem eficazes no controle do surto.

“Na ausência de medicamentos ou vacinas antivirais, o controle depende da rápida detecção e isolamento de casos sintomáticos. No momento, não está claro se esse surto pode ser contido na China”, afirma o relatório do Centro de Pesquisa Médica do Conselho para Análise Global de Doenças Infecciosas.

O Colégio Imperial de Londres coloca então sua estimativa do número de casos só em Wuhan em 4 mil (atualmente são 2,7 mil), com uma margem que pode ir até 9,7 mil se forem considerados elementos ainda desconhecidos pelos pesquisadores. “As incertezas incluem o espectro de gravidade da doenças e se os casos com sintomas relativamente leves são capazes de transmitir o vírus com eficiência”, completa o documento.

Via MRC CGIDA

publicidade