EnglishPortugueseSpanish

Resultados de uma pesquisa publicada na revista científica Nature indicam que a ciência está perto de obter hidrogênio metálico pela primeira vez. O estudo, liderado por Paul Loubeyere, da Comissão Francesa de Energia Atômica, conseguiu feitos inéditos ao submeter amostras de hidrogênio a pressões extremas, em baixas temperaturas.

No experimento, os cientistas expuseram o hidrogênio a uma pressão de 300 GPa, equivalente a 300 bilhões Pascal. Para se ter uma ideia, a pressão da atmosfera terrestre ao nível do mar é 101,325 Pascal. Nessas condições, o hidrogênio se transformou em sólido e assumiu um aspecto brilhoso.

publicidade

Em seguida, os pesquisadores conduziram o hidrogênio à pressão de 425 GPa, em uma temperatura de 80 graus acima do zero absoluto (0 Kelvin, a temperatura em que toda a matéria tem a quantidade mínima de calor). Foi aí que o experimento resultou em uma descoberta inédita: o hidrogênio passou a refletir ondas infravermelhas, o que significa que o elemento iniciou a transição do estado sólido para o metálico. Na sequência, os cientistas ainda fizeram o processo reverso para ter certeza que o hidrogênio não tinha vazado dos recipientes.

Loubeyre afirma que dois fatores foram essenciais na obtenção dos novos resultados. O primeiro consiste no uso de uma espécie de bigorna de diamante mais potente que os modelos convencionais. É com esse dispositivo que os pesquisadores submetem as amostras de materiais a pressões extremas.

O outro fator foi o uso de um microscópio com um espectrômetro capaz de medir o comprimento de ondas durante o experimento. Dessa forma, os cientistas conseguiram mensurar diversas propriedades do hidrogênio.

Apesar dos resultados, não é possível afirmar que a equipe de Loubeyere conseguiu levar partículas de hidrogênio ao estado metálico. O próprio artigo reconhece que os achados indicam evidências de uma “possível transição” do elemento ao estado pretendido.

publicidade

Outros pesquisadores argumentaram que os limites dos equipamentos de Loubeyere não podiam excluir a existência de um pequeno ‘gap’ de energia – uma pequena quantidade de energia de entrada necessária para transformar o material num condutor. Caso existisse, a equipe ainda não teria realmente demonstrado a criação de um metal.  

Loubeyere e sua equipe disseram que é improvável que essas pequenas quantidades de energias ainda estivessem no experimento, mas não seria possível afirmar com total certeza.

Fonte: Gizmodo