A Intel abandonou seus esforços de desenvolvimento de tecnologia 5G para smartphones, como modems e processadores, no ano passado. Mas a empresa ainda está de olho no mercado potencial das redes 5G, desta vez no segmento de infraestrutura.

“À medida que o setor faz a transição para o 5G, continuamos a ver a infraestrutura de rede como a oportunidade mais significativa, representando um potencial de US $ 25 bilhões em silício até 2023”, disse Navin Shenoy, gerente geral do Data Platforms Group da Intel.

publicidade

“Ao oferecer aos clientes o caminho mais rápido e eficaz para projetar, entregar e implantar soluções 5G, em todo o núcleo, borda de rede e acesso, estamos prontos para expandir nossa posição de líder em silício neste mercado em crescimento”.

A empresa espera ser líder mundial no fornecimento de silício (chips) para estações-base já em 2021, um ano antes do previsto, e que em 2024 6 bilhões de estações-base 5G em todo mundo sejam equipadas com sua tecnologia

A Intel deposita suas esperanças na plataforma Intel Atom P5900, primeira arquitetura da empresa para estações-base produzida em um processo de 10 nm. Ela promete atender as necessidades críticas dos operadores de redes 5G, como alta capacidade e latência ultra-baixa.

Empresas como a Ericsson, Nokia e ZTE usarão o chip em suas estações-base, enquanto a Huawei, líder em contratos comerciais para redes 5G em todo o mundo, continuará usando sua própria tecnologia em seus equipamentos.

Fonte: TechRadar