EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Com a ajuda do projeto Event Horizon Telescope (EHT), que visa criar uma rede global de telescópios, cientistas da Universidade College London, no Reino Unido, foram capazes de observar o jato de plasma criado por um buraco negro supermassivo com uma precisão jamais vista. Com essa informação em mãos, eles poderão aprofundar seus estudos quanto a esses fenômenos ainda tão misteriosos.

Os supermassivos, que ficam no centro de galáxias consumindo imensas quantidades de energia e matéria, podem disparar plasma de seus polos magnéticos na velocidade da luz. Ainda que a reação aconteça tão rapidamente, o conjunto de telescópios foi capaz de fotografar esse momento.

publicidade

Reprodução

Flagrado como um oval brilhante, o plasma foi expelido em direção à Terra, o que permitiu que os cientistas pudessem observá-lo por um ângulo vantajoso. Além disso, a câmera utilizada capturou o momento com infravermelho, medindo o quão quente é a matéria.

Tal jato de plasma é considerado um blazar, fonte de energia muito compacta associada a um supermassivo do centro de uma galáxia ativa e considerada um dos fenômenos mais violentos do universo. Para tamanha monstruosidade, o buraco negro canaliza toda a energia de seu disco de acreção e a dispara em uma velocidade impressionante – nesse caso, cerca de 0,995 vezes a velocidade da luz.

De acordo com Ziri Younsi, coautor do artigo que apresentou a imagem, o blazar em questão está sendo expelido em um ângulo estranho, o que pode indicar uma torção na base do jato.

publicidade

Essas e outras informações continuam sendo um mistério a ser solucionado, mas a nova captura possibilitará que cientistas estudem mais sobre os supermassivos, desde como eles consomem energia até o porquê de alguns deles canalizarem toda a energia dos discos de acreção em seus polos.

 

Via: Engadget