EnglishPortugueseSpanish

Mutações não tornaram novo coronavírus mais agressivo

Redação 25 de maio de 2020
publicidade

Um estudo liderado por pesquisadores da University College London, no Reino Unido, identificou que as mutações já documentadas do novo coronavírus não o tornam mais transmissível. A pesquisa analisou o sequenciamento genético de microrganismos extraídos de mais de 15 mil pacientes com covid-19 em 75 países.

Os cientistas identificaram 6.822 mutações do novo coronavírus. A pesquisa aponta que 273 casos apresentam fortes evidências de que as variações genéticas ocorreram de forma repetida e independente.

publicidade

Para estudar o potencial de transmissão dessas mutações, a pesquisa modelou a evolução do vírus. Depois, os cientistas analisaram se as variações genéticas tornaram as infecções predominantes em relação a agentes sem mutação. Os resultados não apontam evidências de que as mutações aprimoraram a capacidade de contágio do novo coronavírus.

Os resultados do trabalho ainda não foram publicados em um periódico científico nem passaram pela revisão de outros especialistas. A iniciativa, no entanto, tem como base um artigo da revista Infection, Genetics and Evolution, que relata mutações no genoma do novo coronavírus.

 

publicidade