EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Nesta terça-feira (16), um grupo de pesquisadores da Universidade de Oxford, no Reino Unido, anunciou o que pode ser um avanço na diminuição no número de óbitos decorrentes da Covid-19. Com base em resultados de um estudo preliminar, um corticoide comum e amplamente disponível, chamado dexametasona, apresentou resultados animadores.

Ainda segundo os responsáveis pela pesquisa, resultados mais amplos devem ser divulgados em breve. O medicamento foi ministrado em dois mil pacientes infectados pela doença. Os resultados coletados foram comparados com outros 4.300 que receberam cuidados comuns para combater o vírus.

publicidade

Os dados apontam que houve uma diminuição no risco de morte de 40% para 28% em pacientes internados e que utilizam ventiladores mecânicos para respirar; no caso de pessoas que não precisam da ajuda dos equipamentos, o risco caiu de 25% para 20%.

“Este é o único medicamento até o momento que demonstrou reduzir a mortalidade de forma significativa. É um grande avanço”, disse Peter Horby, um dos responsáveis pelo estudo, à BBC.

Por conta dos resultados, segundo Matt Hancock, ministro da saúde do Reino Unido, o medicamento começará a ser usado a partir desta terça-feira. “Estamos trabalhando com o Serviço Nacional de Saúde para que o tratamento padrão contra a Covid-19 inclua a dexametasona a partir desta tarde”, afirma.

Solução no combate à doença

Os pesquisadores indicam que, se o medicamento estivesse disponível no Reino Unido desde o início da pandemia, cerca de cinco mil mortes poderiam ter sido evitadas. Devido ao baixo custo de venda, o remédio pode ser uma opção viável e eficaz para países mais pobres – e que apresentam grande número de óbitos em decorrência da doença.

publicidade

A dexametasona já é amplamente utilizado para combater inflamações em outras condições. Além disso, é responsável por ajudar a minimizar danos causados pelo sistema imunológico do corpo quando se manifesta – como durante a chamada tempestade de citocina, que pode ocorrer em resposta ao coronavírus.

O que é a dexametasona?

Como já citado, o medicamento é amplamente utilizado na medicina. Ele funciona como uma versão sintética dos hormônios produzidos pelas chamadas glândulas suprarrenais, que se localizam na parte superior dos rins.

Devido às características, a medicação é usada como imunossupressora e anti-inflamatória em tratamentos intensivos e de curto prazo em situações de doenças reumatológicas, distúrbios de pele, alergias, tumores, além de problemas oculares, glandulares, pulmonares, gastrointestinais, neurológicos e sanguíneos.

Vale lembrar que o medicamento só deve ser tomado sob prescrição médica. A automedicação é totalmente contraindicada por conta da necessidade de doses personalizadas da dexametasona para cada caso. Cabe ao profissional de saúde definir qual a dosagem correta para os pacientes. Caso isso não seja respeitado, é possível que danos graves à saúde ocorram.