Pesquisadores do Canadá relatam fragilidades e imprecisão em testes rápidos para diagnóstico de covid-19. A conclusão está em um artigo publicado na quarta-feira na revista The BMJ após a revisão de cerca de 40 estudos sobre o tema e identificaram inconsistências.

Segundo eles, há pesquisas enviesadas e com baixo nível de amostragem. Além disso, os autores apontam uma diferença na sensibilidade de exames clínicos e comerciais. Os testes de farmácia apresentam resultados inferiores aos aplicados em laboratórios clínicos.

publicidade