Dados obtidos pelo Miniature Radio Frequency do satélite Lunar Reconaissance Orbiter apontam que a concentração de metais como ferro e titânio em crateras na superfície lunar é maior que a esperada. Com isso, cientistas da Universidade do Sul da Califórnia, nos Estados Unidos, já questionam as atuais teorias da formação da Lua.

Uma possível explicação é que a Lua tenha surgido a partir de material extraído muito mais profundamente da Terra do que se pensava ou que esses metais sejam resultado de uma superfície lunar derretida, que se resfriou gradualmente. O sistema solar tem mais de 200 luas e entender o papel destas luas é crucial para compreender a formação e a evolução dos planetas que elas orbitam.

publicidade