Na manhã do último domingo (23), o Twitter notificou Donald Trump sobre uma violação das regras de integridade cívica e eleitoral realizada em sua conta oficial. A publicação em questão critica o uso de caixas de correio como meio seguro de votação para as eleições presidenciais americanas deste ano.

A sugestão de uso das caixas de correio foi feita por democratas, que acreditam que o meio de votação é seguro para aqueles que não quiserem deixar suas cédulas nas mãos dos “Correios dos Estados Unidos”. Por outro lado, os republicanos repudiam a prática, o que motivou o tuíte do presidente.

So now the Democrats are using Mail Drop Boxes, which are a voter security disaster. Among other things, they make it possible for a person to vote multiple times. Also, who controls them, are they placed in Republican or Democrat areas? They are not Covid sanitized. A big fraud!

— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) August 23, 2020

“Agora os democratas estão usando caixas de correio, que são um desastre para a segurança do eleitor. Entre outras coisas, elas permitem que uma pessoa vote várias vezes. Aliás, quem as controla, estão as colocadando em áreas republicanas ou democratas? Não são higienizadas contra o Covid-19, uma verdadeira fraude”, afirmou o presidente em seu tuíte.

Geralmente, o Twitter exclui todas as publicações que infringem as políticas de uso, fazendo com que o usuário seja notificado pelos motivos e trechos da publicação que levaram à decisão. Entretanto, a publicação do presidente foi mantida por ser de interesse público. Para acessá-la, é necessário clicar no botão “ver”.

publicidade

Publicações de Trump

Não é a primeira vez que Donald Trump é notificado quanto a seus tuítes. Em maio, o Twiter colocou o mesmo aviso em uma publicação relacionada aos protestos contra a segregação racial. Post afirma que manifestantes são “bandidos” e que os militares estão ao lado do governo de Minessota.

Segundo o Twitter, publicação incita a violência por meio de um contexto histórico, já que Trump também afirmou que se o governo estadual não conseguisse “controlar” a população, colocar as forças armadas na rua seria uma possibilidade.

Fonte: G1