EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O Facebook bloqueou, no sábado (5), uma transmissão ao vivo feita por um francês que sofre de uma doença incurável. Alain Cocq, 57, usou sua condição para chamar atenção sobre a lei do direito de morrer na França e anunciou que transmitiria seu fim em live na rede social.

De acordo com a agência de notícias Agence France-Press, Alain Cocq tem um problema de saúde que faz com que suas artérias fiquem grudadas. O homem parou de comer e beber na noite de sexta-feira (4) e planejava transmitir sua morte ao vivo no dia seguinte.

publicidade

“Nossos corações estão com Alain Cocq e aqueles que são afetados por esta triste situação”, disse ao The Verge a porta-voz do Facebook, Emily Cain. “Embora respeitemos sua decisão de chamar a atenção para este assunto complexo e difícil, com base na orientação de especialistas, tomamos medidas para impedir que Alain transmita ao vivo, já que não permitimos a representação de tentativas de suicídio”.

Em julho, Cocq escreveu uma carta ao presidente da França, Emmanuel Macron, pedindo permissão para “morrer com dignidade”, usando “assistência médica ativa”, segundo a CNN. Na carta, Cocq afirmou estar de bom juízo, mas “aleijado pelo sofrimento”. Macron respondeu que admirava a “notável força de vontade” de Cocq, mas disse que não poderia atender seu pedido.

publicidade

Reprodução

Cocq havia pedido, em julho, ao presidente da França, Emmanuel Macron, permissão para “morrer com dignidade”. Imagem: Frederic Legrand – COMEO/Shutterstock

 

Lei da eutanásia

A eutanásia é ilegal na França, e a lei do país proíbe sedação profunda que deixe o paciente inconsciente até o momento de sua morte, exceto em condições específicas. No entanto, os cidadãos franceses podem decidir interromper o tratamento médico, e a lei do país não prevê indiciar pessoas por suicídio, de acordo com a CNN.

Para mostrar ao país a “agonia” causada pela lei em seu estado atual, Cocq planejou a transmissão de sua morte em seu perfil na rede social. Ele espera que sua luta seja lembrada como um passo para mudar a legislação na França.

Após saber que o Facebook bloqueou sua transmissão, Cocq afirmou que buscaria outra maneira de publicar seu vídeo ao vivo, conforme relatado pela AFP.

Via: The Verge