EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Desde que a Força Espacial dos EUA foi criada, em 20 de dezembro de 2019, persiste a dúvida: “quando os primeiros soldados serão enviados ao espaço?”. Infelizmente, para os fãs de filmes como Tropas Estelares e Independendence Day: O Ressurgimento, a resposta oficial parece ser “não tão cedo”.

Segundo o General de Brigada John Shaw, líder do Comando de Operações Espaciais da Força Espacial dos EUA, há dois motivos para isso. “Em primeiro lugar, o espaço não é muito habitável pelos humanos. Sabemos disso desde os nossos primeiros dias por lá. E o segundo é que estamos ficando muito bons nessa coisa de mandar robôs ao espaço”.

publicidade

“Os melhores robôs já criados pela humanidade são provavelmente satélites – seja os que exploram outros planetas ou os que operam no sistema Terra/Lua. Satélites GPS podem estar entre eles. São máquinas incríveis, e estamos ficando cada vez melhores no aprendizado de máquina e inteligência artificial. Vamos ter uma enorme quantidade de sistemas autônomos e automatizados operando nas órbitas terrestre, lunar e solar nos próximos anos, realizando atividades relacionadas à segurança naciona”, disse.

Reprodução

X-37B, avião espacial desenvolvido pela Boeing e operado pela Força Espacial dos EUA. Foto: Força Aérea dos EUA

De fato, a Força Espacial dos EUA não precisa de humanos para realizar suas atividades. Veículos como o X-37B são capazes de decolar, operar por anos em órbita como instrumento de vigilância ou transportando satélites, e retornar à Terra de forma completamente autônoma.

publicidade

Ainda assim, Shaw acredita que a presença militar humana no espaço é inevitável. “Em certo ponto, sim, iremos colocar humanos no espaço”, diz Shaw. “Eles poderão estar trabalhando em centros de comando em algum lugar na superfície lunar, ou em algum outro local onde irão operar uma arquitetura que, talvez, seja principalmente autônoma”.

“Em algum momento isso vai acontecer”, diz Shaw. “Mas ninguém pode dizer ao certo em que ano isso irá ocorrer”.

Fonte: C4ISRNET. Foto: Brian McGowan em Unsplash