EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O piloto automático da Tesla ficou em sexto lugar em uma análise do Programa Europeu de Avaliação de Novos Carros (NCAP, na sigla em inglês) que avaliou 10 sistemas de assistência ao motorista. O que puxou o produto da Tesla para baixo no ranking foi sua baixa capacidade de manter os motoristas atentos enquanto dirigem.

Ainda que o sistema da Tesla tenha obtido as notas mais altas em relação ao desempenho e à capacidade de respostas a emergências, o mesmo não aconteceu no que diz respeito a manter o motorista com foco no caminho: nesta categoria, o piloto automático do carro elétrico Tesla Model 3 marcou apenas 36 pontos. No total, a nota final da empresa de Elon Musk foi de 131 pontos, uma classificação considerada “moderada”.

publicidade

O sistema do elétrico Mercedes GLE que, por sua vez, obteve a pontuação geral mais alta da análise, somou 174 pontos para um resultado considerado “muito bom”, equivalente à classificação máxima da avaliação. Neste caso, a Mercedes recebeu uma nota 85 para sua capacidade de manter os motoristas com os olhos na estrada – mais que o dobro da Tesla.

Quanto aos demais sistemas avaliados, a maioria obteve uma pontuação de 70 ou mais nesta categoria.

Reprodução

O Tesla Model 3 teve alguns critérios avaliados. Imagem: canadianPhotographer56/Shutterstock

publicidade

Para a análise, que foi considerada a primeira focada especificamente em sistemas de assistência ao motorista – tecnologia que automatiza algumas tarefas -, o NCAP trabalhou em parceria com o Thatcham Research, um grupo de seguros automotivos do Reino Unido.

Esta não é a primeira vez que o piloto automático da Tesla é criticado: o Conselho Nacional de Segurança de Transporte dos Estados Unidos chamou a atenção da montadora por permitir que os motoristas desviem facilmente o foco da estrada. Inclusive, isso foi motivo de uma investigação que englobou 15 acidentes envolvendo veículos da Tesla desde 2016.

Vale ressaltar que pesquisadores de segurança no trânsito e grupos de seguros estão frequentemente alertando para os riscos de se superestimar as habilidades de veículos com piloto automático.

Via: Reuters