Uma nova pesquisa sugere que o coronavírus (Sars-Cov-2) pode sobreviver até 28 dias em telas de celulares, dinheiro em espécie, aço inoxidável e vinil. Realizada pelo órgão australiano CSIRO (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation), ela aponta que o vírus pode permanecer infeccioso também em outras estruturas de vidro.

A descoberta da agência sugere que o vírus que causa a Covid-19 sobrevive por mais tempo do que se pensava também em temperaturas mais baixas. Segundo a pesquisa, ele pôde sobreviver em notas de papel e de plástico quando mantidos a 20º C.

“A 20º, que é aproximadamente a temperatura ambiente, descobrimos que o vírus era extremamente robusto, sobrevivendo por 28 dias em superfícies lisas”, disse a vice-diretora do ACDP, Dra. Debbie Eagles.

Também foram feitos experimentos com temperaturas ajustadas em 30º e 40º, que também diminuíram o tempo de sobrevivência do vírus. Em experimentos semelhantes com o vírus da gripe, ele pôde sobreviver por 17 dias.

publicidade

Limpe as superfícies

Reprodução

Pesquisa reforça, além de lavar as mãos, que usuários também limpem superfícies como os próprios celulares. Imagem: Jeshoots (Unsplash)/Reprodução

Os experimentos foram realizados em um local escuro, pois a luz ultravioleta demonstrou matar o vírus. De acordo com Peter Collignon, professor de doenças infecciosas da Australian National University, lugares como parques infantis são provavelmente mais seguros “porque a luz ultravioleta está lá e o vírus pode ser inativado”.

Comumente, o coronavírus é transmitido pela fala, tosse ou espirro, pois “a transmissão está relacionada a estar perto de pessoas que tossem ou espirram sobre você”. Segundo o professor, “provavelmente, cerca de 10% da transmissão será feita apenas pelas mãos e superfícies”. O estudo reforça, no entanto, práticas como lavar as mãos regularmente e limpar as superfícies.

Segundo Eagles, ainda não foi possível determinar o papel das superfícies na transmissão, grau de contato “e a quantidade de vírus necessária para a infecção”. Mas “estabelecer por quanto tempo o vírus permanece viável em superfícies é crítico para o desenvolvimento de estratégias de mitigação de risco em áreas de alto contato”.

Fonte: The Guardian