EnglishPortugueseSpanish

Na terça-feira (13), a Apple apresentou seus novos iPhones que, pela primeira vez, terão compatibilidade com a tecnologia 5G. Porém, uma das coisas que chamou a atenção do público durante a apresentação foi o fato de alguns aparelhos possuírem um recorte em sua lateral. Segundo a própria empresa, trata-se de uma “janela” no corpo do aparelho para a antena de 5G mmWave.

Na web, somente os aparelhos no site dos EUA terão o recorte e compatibilidade com o 5G mmWave. No site brasileiro, por exemplo, os dispositivos aparecem sem a janela. Em relação à compatibilidade com o 4G e o futuro 5G brasileiro, não há preocupações.

publicidade

Segundo o próprio site da companhia, os novos aparelhos têm compatibilidade com as bandas 4G usadas pelas operadoras brasileiras atualmente (n1, n3, n5, n7 e n28). Quanto ao 5G, os novos smartphones também podem operar com as frequências de 2,3GHz e 3,5GHz (n40, n77 e n78), as quais serão leiloadas pela Anatel em 2021.

Apple/Reprodução

Versão americana x versão mundial; note o recorte na lateral direita do aparelho, abaixo do botão power. Créditos: Apple/Reprodução

A aparente preocupação da Apple com a força do sinal tem explicação. As ondas milimétricas do 5G mmWave trazem as maiores vantagens do 5G: velocidades maiores e a capacidade para muitos dispositivos se conectarem juntos. O problema é que essas ondas trabalham em frequências extremamente altas, entre 24 e 60 GHz, e, quanto maior a frequência da onda, menor a penetração de sinal. É por isso que as antenas mmWave usarão algoritmos mais eficientes para que os pulsos de sinais realizem uma rota que evite ao máximo obstáculos físicos.

publicidade

Por ser provavelmente de plástico, o recorte no corpo do aparelho deve permitir que o sinal chegue com mais facilidade, já que, sem a janela, os pulsos teriam que atravessar o corpo de alumínio ou aço do aparelho. Além disso, seu design pode ter como objetivo possibilitar que os usuários consigam ver a posição da antena e assim evitem segurar o smartphone nesta região, permitindo que o dispositivo receba o máximo de sinal possível.

O novo iPhone 12

Os novos modelos da marca da maçã estarão disponíveis em quatro versões: iPhone 12 Mini, iPhone 12, iPhone 12 Pro e iPhone 12 Pro Max, com preços entre US$729 até US$1.100. O destaque fica por conta do suporte à rede 5G em todos os aparelhos. As quatro versões são equipadas com o novo chipset A14 Bionic da Apple, com CPU e GPU (4 núcleos) 50% mais velozes que a geração anterior, segundo a empresa.

A maior novidade da linha, o iPhone 12 Mini tem um display de 5,4 polegadas. Os iPhone 12 e Pro vêm com tela de 6,1 polegadas, e o Pro Max tem um painel de 6,7 polegadas. Todos contam com a nova proteção Ceramic Shield, que aumenta em quatro vezes a resistência a quedas. Os modelos Pro vêm com câmera traseira tripla com um sensor LIDAR, enquanto os outros dois trazem apenas um conjunto duplo.

Apple/Reprodução

iPhone 12 Pro e Pro Max têm lateral em aço inoxidável. Créditos: Apple/Reprodução

Uma novidade polêmica foi a remoção dos adaptadores de tomada e dos fones de ouvido. Segundo a companhia, muitos consumidores já utilizam fones sem fio e já existem muitos adaptadores de tomada disponíveis. Com a remoção dos itens, as embalagens dos aparelhos podem ser menores, enviando-se mais em um único pacote e reduzindo a pegada de carbono da empresa. Os aparelhos ainda serão enviados com cabos Lightning USB-C.

Outra novidade foi a incorporação da tecnologia MagSafe, primeiramente vista nos MacBooks. Com ela, além do carregamento sem fio, acessórios podem ser colocados na traseira do dispositivo, como capas e até uma mini carteira. Os iPhone 12 e 12 Pro chegam às lojas primeiro, com a pré-venda sendo iniciada já na próxima sexta-feira (16). Os iPhone 12 Mini e 12 Pro Max estão previstos para novembro. A Apple ainda não confirmou datas e preços para o Brasil.

Fonte: TheVerge