EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Já pensou em viajar para o espaço e, na volta à Terra, pousar em um porto futurístico na Baía de Tóquio, no Japão, com os arranha-céus de uma das cidades mais populosas do mundo servindo como cenário? Essa ideia existe e já está no papel: se trata do espaçoporto City, uma estrutura que contará com quatro andares dos quais turistas serão lançados em viagens espaciais comerciais de menos de um dia.

Como esse tipo de passeio ainda não existe, o City, além de futurístico, é um projeto que, de fato, será inaugurado apenas no futuro. Enquanto isso, os engenheiros envolvidos já imaginaram seu design e até renderizaram a estrutura do espaçoporto.

publicidade

Reprodução

Projeto renderizado do futuro espaçoporto City. Imagem: Divulgação

De acordo com Urszula Kuczma, gerente de projeto, além de viabilizar as viagens espaciais comerciais, a intenção do City também é oferecer instalações para que os visitantes terrestres se familiarizem com o espaço antes mesmo de irem à órbita. Nos passeios oferecidos a partir do espaçoporto, será possível vislumbrar a curvatura da Terra e experimentar a gravidade zero.

Além disso, diferentemente dos lançadores de foguetes verticais tradicionais, o City é projetado para as espaçonaves futuras, que devem se parecer mais com aviões comuns e que, consequentemente, pousarão horizontalmente.

publicidade

Espaçonaves para turismo já estão em desenvolvimento

Empresas aeroespaciais, como a Blue Origin e a Virgin Galactic, já estão testando espaçonaves com essa finalidade.

A Virgin Galactic, por exemplo, está na ponta do desenvolvimento do tipo de espaçonave que o espaçoporto City suportará.

A empresa já testou voos tripulados e até inscreveu 600 passageiros para a sua primeira viagem espacial comercial, que ainda não tem data marcada. O passeio deve durar 90 minutos e cada assento custará cerca de US$ 250 mil (aproximadamente R$ 1,4 milhão na conversão direta das moedas).

Pode parecer um sonho distante, mas os primeiros voos comerciais da Virgin Galactic podem acontecer já em 2021.

Via: O Globo