EnglishPortugueseSpanish

A foto de uma nuvem em formato de “OVNI” chamou a atenção dos jurados do concurso de Fotógrafo do Ano 2020 da Royal Meteorological Society (RMS, na sigla em inglês). O fenômeno foi registrado por Francisco Javier Negroni Rodriguez, na Argentina, na região montanhosa de El Chalten. A imagem foi uma das finalistas da competição.

“Uma hora antes de tirar esta fotografia eu estava caminhando pelas trilhas que circundam a bela formação rochosa… [mas] o dia estava muito nublado. Aparentemente, a sorte não estava comigo nesta aventura”, disse Rodriguez. 

publicidade

“Apenas por um momento, as nuvens me permitiram ver El Chaltén – e para minha surpresa, havia uma nuvem lenticular espetacular e brilhante com uma figura linda e perfeita que eu nunca tinha visto”, explicou o fotógrafo sobre o momento do registro.

Reprodução

Foto de nuvem lenticular chamou atenção em concurso de fotografias. Créditos: Live Science/Reprodução

Nuvens lenticulares

O evento que Rodriguez fotografou costuma ser comum nos Estados Unidos, mais especificamente em áreas de grandes montanhas rochosas, onde a alta velocidade dos ventos ricocheteiam sobre um pico alto, o que cria as nuvens em formato de “OVNI”.

publicidade

Mas resumidamente, o processo ocorre da seguinte forma: quando um vento forte sopra na lateral de uma montanha ou de qualquer outra obstrução alta, ele é desviado e forçado a formar uma onda que atinge o topo da montanha, mergulha do outro lado e sobe novamente. Nas partes ascendentes da onda, o ar esfria até se condensar em nuvens. Quando o ar desce novamente no lado descendente da onda, a nuvem evapora. O resultado é uma enorme nuvem estacionária em formato de disco no topo da montanha.

A foto de Rodriguez da “nuvem alienígena” não foi uma das três vencedoras do concurso, mas causou grande comoção entre os jurados e fez sucesso durante a vigência da competição, que analisou 7,7 mil imagens. O Fotógrafo do Ano 2020 da RMS é patrocinado pela AccuWeather e anunciou seus ganhadores em 17 de outubro.

Via: Live Science