EnglishPortugueseSpanish
publicidade

O Pix promete mexer com o mercado de pagamentos no Brasil a partir do mês que vem, quando efetivamente começará a funcionar no país. O Banco Central anunciou que nada menos que 762 instituições já foram aprovadas para começar a oferecer esse serviço aos seus usuários.

Entre as empresas cadastradas estão bancos convencionais, financeiras, as fintechs, instituições de pagamentos e outras companhias que poderão participar da modalidade a partir de novembro. O processo de adesão foi encerrado no dia 16 de outubro.

publicidade

As empresas que não se cadastraram na primeira fase de registro poderão aderir ao Pix em um segundo momento, quando o processo de adesão for reaberto. Isso acontecerá em 1º de dezembro de forma definitiva, e não mais temporária.

“A quantidade e a diversidade das instituições que estão aptas a ofertar o Pix reforçam o caráter aberto e universal do arranjo de pagamento, evidenciam a grande competitividade que o Pix traz ao mercado e demonstram o forte engajamento dos diversos agentes para a adoção do Pix”, diz o comunicado do Banco Central.

Para os usuários, nada muda na questão de cadastro. Ainda é possível cadastrar as chaves para usar o serviço normalmente, tanto para pessoas físicas quanto para empresas. O que está temporariamente desabilitado é o cadastro para oferecimento do serviço.

Segundo o Banco Central, o público se mostrou interessado no Pix até o momento, o que faz sentido diante do tamanho da campanha das instituições financeiras para atrair os clientes a cadastrarem suas chaves. Até segunda-feira (19) já foram registradas mais de 42 milhões de chaves.

publicidade

O que é o Pix?

Se você é uma das poucas pessoas que ainda não foi diretamente impactada pela propaganda dos bancos sobre o Pix e ainda não sabe o que é o serviço, a gente explica. A plataforma deve mexer bastante com a movimentação financeira no Brasil, oferecendo novas formas práticas de transferir dinheiro e pagar por produtos e serviços.

O Pix afeta diretamente serviços como DOC e TED, permitindo transferências entre bancos diferentes em questão de segundos até mesmo fora do expediente bancário e aos fins de semana. Ele também permitirá o pagamento por produtos e serviços de forma instantânea, por meio de leitura de QR Codes, por exemplo.

Para utilizar, é necessário cadastrar chaves no seu banco. Essa chave pode ser, por exemplo, o seu endereço de e-mail, o seu CPF, ou seu número de seu celular. Na hora de receber uma transferência, basta dar essa informação para a outra pessoa, que, sabendo apenas isso, tem todos os dados necessários para completar a transação, como número da conta bancária e agência. Cada pessoa pode ter até cinco chaves, e cada uma só pode estar vinculada a uma conta bancária.