EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Toda a campanha de marketing da Microsoft para o Xbox Series X sempre bateu em uma tecla muito clara: o console é o mais poderoso do mundo. Desde o começo, quando a companhia anunciou a capacidade de 12 teraflops em poder de processamento, a mensagem foi sempre a de que os jogos rodariam melhor em sua plataforma.

Agora, duas semanas depois do lançamento, não é isso que se vê. Vários dos jogos multiplataforma, inclusive aqueles que têm acordos comerciais com a Microsoft, mostram que a briga, por enquanto, parece muito mais parelha do que se imaginava inicialmente. Em alguns aspectos, o PlayStation 5 tem se mostrado superior em desempenho do que o Xbox Series X, mesmo que suas especificações técnicas não sejam tão robustas no papel.

publicidade

Quem aponta esses detalhes é o pessoal do Digital Foundry, que há anos é especializado em discussões profundamente técnicas sobre desempenho de videogames. Em comparação entre as duas plataformas, foi possível observar o PS5 superando em vários pontos de análise em títulos como “Assassin’s Creed: Valhalla”, “DiRT 5”, “Call of Duty: Black Ops Cold War” e “Devil May Cry 5”.

As “derrotas” sofridas pelo Xbox variam de jogo para jogo. Em “Devil May Cry 5”, a vantagem da Sony fica na taxa de quadros, com o modelo da Microsoft encarando quedas de framerate mais agudas do que o concorrente. Já no novo “Assassin’s Creed”, o Xbox em alguns momentos acaba vendo a taxa cair abaixo dos 60 quadros por segundo, e até mesmo screen tearing pode ser observado em algumas instâncias.

No caso de “DiRT 5”, as diferenças estão nas texturas, com evidente vantagem para a Sony em questão de qualidade gráfica, o que a própria Codemasters já reconheceu e promete um patch de correção. Enquanto isso, em “Call of Duty”, a vantagem do PS5 fica no modo de 120 quadros por segundo.

publicidade

Tudo isso mostra que, neste momento, não há uma resposta clara sobre qual console roda melhor os jogos de nova geração. Não é a situação que a Microsoft gostaria após passar quase o ano inteiro batendo na tecla do “console mais poderoso do mundo”.

Mas por que isso está acontecendo?

O site The Verge, em contato com desenvolvedores que não se identificaram, parece ter uma explicação: falta de tempo. A Microsoft parece ter demorado mais do que o normal para entregar os kits de desenvolvimento para as empresas que produzem os jogos, o que atrasou a produção e reduziu o polimento dos títulos.

O fato de que cada game apresenta uma característica distinta em que o Xbox é superado pelo PlayStation indica que não se trata de um problema da plataforma em si, mas que realmente se trata de uma questão de adaptação de quem cria os jogos, justamente pela falta de tempo para se acostumar com as ferramentas. Se o problema fosse consistente em múltiplos jogos, seria sinal de algo mais grave com o sistema em si.

Por isso, não seria surpresa se, com o tempo, e com o lançamento de atualizações, os jogos multiplataforma no Xbox cumpram a promessa de rodarem melhor do que no novo PlayStation de forma inquestionável. Por enquanto, as coisas ainda estão niveladas.

Mas se tempo é tão importante para os desenvolvedores, por que a Microsoft demorou tanto para enviar as ferramentas para eles?

A publicação entende que a Microsoft esperou até o último minuto para finalizar o hardware do Xbox Series X, com o objetivo de oferecer suporte total à arquitetura RDNA2, disponibilizada pela AMD em seus produtos mais novos. O que não está claro até o momento é qual o diferencial que essa tecnologia terá e se ela pode afetar o rumo da “guerra de consoles” com o avançar da geração, já que o PS5 não têm suporte total a ela.