EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Caixa Econômica Federal quer entrar para o ramo dos bancos digitais, prometendo a criação de uma instituição financeira separada da atual. Segundo o presidente da empresa, Pedro Guimarães, a ideia é que a nova entidade, que já conta com 100 funcionários, tenha aprovação do Banco Central e do Conselho Administrativo da Caixa em até seis meses.

“Estamos discutindo internamente. Há um consenso que esse é um ponto-chave para o futuro da Caixa Econômica Federal. Já há uma conversa inicial no conselho de administração e algumas conversas no Banco Central”, disse Guimarães. Ele também ressaltou que a nova operação começará a funcionar com 105 contas digitais abertas pela própria Caixa.

publicidade

Reprodução

Presidente da Caixa, Pedro Guimarães (foto) espera inaugurar um banco digital independente da financeira estatal em até seis meses. Foto: Reuters/Reprodução

 

Serviços oferecidos

Segundo o executivo, a nova empresa terá autonomia completa da Caixa Econômica Federal, atuando em três pilares específicos: o recebimento de benefícios sociais (Bolsa Família, auxílio emergencial e afins), liberação de microcrédito para pelo menos 10 milhões de clientes e, finalmente, crédito imobiliário para famílias de baixa renda – este último, segundo Guimarães, serão mais de 5 milhões de pessoas que poderão usar o app Caixa Tem para pagamento de contas.

publicidade

Um banco tradicional entrar no “filão” das instituições financeiras digitais não é algo novo. No início de suas operações, o Next era amplamente atrelado ao Bradesco, por exemplo. Apenas depois de um bom tempo de atuação é que os bancos se separaram, tornando o Next uma empresa distinta (mas que ainda responde ao conglomerado o qual o Bradesco lidera).

Atualmente, os bancos digitais constituem um mercado amplamente dominado por fintechs: conforme noticiamos no Olhar Digital, um estudo recente revelou que o Brasil concentra mais da metade do percentual de investimentos deste setor na América Latina, tornando-se um ponto bastante aquecido de interesse da economia: entre 2015 e 2018, foram quase US$ 2,5 bilhões (R$ 13,30 bilhões, pela conversão direta) movimentados em acordos e negociações envolvendo empresas do ramo.

Fonte: Agência Brasil