EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Na última semana, o Governo Federal lançou o Startup Point, um portal para unificar todas as demandas de empreendedorismo tecnológico. A plataforma dá acesso aos programas e benefícios concedidos pelo poder público a quem tem interesse em começar um novo negócio.

A página é administrada pelo MCTI (Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações) e nasce como resultado do Comitê Nacional de Iniciativas de Apoio a Startups, criado no fim de 2019 para articular iniciativas destinadas às empresas de base tecnológica.

publicidade

De acordo com o Ministério, são dezenas de processos para os diversos públicos-alvo, na tentativa de atender todo o sistema de inovação e responder com políticas públicas necessárias.

O Startup Point ainda tem uma página que orienta o empreendedor conforme a fase de maturação da empresa: ideação, focada na aprendizagem; validação, auxiliando na construção de protótipos; operação, para a execução do projeto; e, por fim, tração, que é a fase de crescimento do negócio.

O portal deve ajudar os donos de startups a mapear o futuro do negócio
O portal promete ajudar os empreendedores tecnológicos no mapeamento dos processos empresariais. Imagem: Andresr/iStock

“Para cada iniciativa, são disponibilizadas informações sobre o que é o programa, quais são os benefícios, qual é o investimento por startup, quando são as próximas chamadas, além das informações para inscrição e seleção, entre outras”, informa a pasta.

Ao todo, segundo o órgão, são 12 instituições participantes, que gerenciam 45 programas de incentivos cadastrados.

publicidade

Crescimento de negócios em tecnologia

Segundo estatística da Associação Brasileira de Startups, já são mais de 13 mil novos negócios tecnológicos no Brasil. Há, no entanto, um conglomerado de iniciativas no eixo Rio-São Paulo, que faz com que outros estados careçam de atividades criativas.

O levantamento aponta que as áreas com mais iniciativas são a Educação, com 8% de todas as empresas, seguida das Finanças, com quase 6%. O público-alvo mais disputado é do segmento B2B, em que empresas vendem para empresas, com quase metade de todo o número de startups.

No fim do mês passado, o presidente Jair Bolsonaro enviou ao Congresso um projeto de lei para criar o Marco Legal das Startups. Ainda em tramitação no Congresso Nacional, o texto pretende modernizar o ambiente de negócios brasileiro e propõe oferta de maiores investimentos para o empreendedorismo inovador.