EnglishPortugueseSpanish
publicidade

Depois que a Bloomberg noticiou, nesta quarta-feira (6), que Elon Musk havia se tornado o homem mais rico do mundo, a Forbes decidiu contestar. Segundo estimativas da empresa, Musk é, na verdade, o segundo mais rico.

Ações da Tesla já haviam subido 7% às 16h30 nesta quinta-feira (7) pelo horário de Brasília. Com isso, o patrimônio líquido de Musk aumentou em US$ 9,8 bilhões e chegou ao total de US$ 175,2 bilhões. Isso torna o CEO da Tesla US$ 22 bilhões mais rico do que o terceiro colocado nesse ranking: o francês Bernard Arnault. Mesmo assim, ele continua US$ 11 bilhões atrás de Jeff Bezos, o CEO da Amazon, que segue como o primeiro colocado. 

publicidade

Em 2020, a fortuna de Musk aumentou US$ 150 bilhões: em março do ano passado, Musk tinha US$ 24,6 bilhões. Boa parte desse crescimento se deve ao reforço nos preços das ações da Tesla – foram mais de 720% em 2020. E, agora em 2021, em apenas uma semana mais 10% foram adicionados. 

No início de novembro, Musk passou Mark Zuckerberg, CEO do Facebook e se tornou o quarto homem mais rico do mundo. Pouco depois, deixou Bill Gates, cofundador da Microsoft, para trás e ficou com a terceira posição. 

Musk tem cerca de 21% das ações das Tesla e mais 48% da SpaceX. As ações da Tesla custam hoje mais de US$ 800 cada uma. A marca tem hoje valor de mercado de US$ 765 bilhões, o que faz dela, de longe, a fabricante de automóveis mais valiosa do mundo.

Contando os bilhões de Musk

A diferença entre os rankings da Bloomberg e da Forbes está na forma como a fortuna dos bilionários é avaliada. Musk é dono de 21% da Tesla, mas mais da metade desse patrimônio é garantia de empréstimos pessoais. Por isso, a Forbes aplica um “desconto” de 25% sobre esse patrimônio.

publicidade

Além disso, Musk já cumpriu os requisitos para receber um quarto lote de ações da Tesla, mas a empresa ainda não certificou isso em seus resultados financeiros. Por isso, a Forbes não considera esse lote, que hoje vale cerca de US$ 4,1 bilhões, como parte do patrimônio do executivo. Por fim, a revista desconta 10% do patrimônio referente à SpaceX pois se trata de uma empresa privada, ou seja, que não negocia ações na bolsa de valores.