EnglishPortugueseSpanish
publicidade

A Amazon decidiu suspender o serviço de hospedagem do Parler, uma rede social norte-americana que, devido a uma política de moderação permissiva, se tornou um paraíso para extremistas, racistas e negacionistas da pandemia, muitos deles apoiadores do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

A suspensão ocorreu devido à participação da rede no ataque ao capitólio na última segunda-feira (4), quando uma multidão enfurecida, incitada por Trump, invadiu o edifício, depredou escritórios, roubou objetos, destruiu documentos e ameaçou congressistas como a deputada Nancy Pelosi, líder do Partido Democrata na câmara dos Deputados e crítica feroz do presidente.

publicidade

Screenshots de discussões no Parler mostram usuários comemorando o ataque e sugerindo a captura e execução de membros do congresso.

“Não podemos oferecer serviços a um cliente que é incapaz de indentificar e remover conteúdo que encoraja ou incita violência contra os outros”, diz a mensagem da Amazon. “Como o Parler não pode cumprir nossos termos de serviço e representa um risco muito real à segurança pública, iremos suspender sua conta a partir das 11:59 PST de 10 de janeiro”.

Em resposta o CEO do Parler, John Matze, acusou a Amazon de “tentar remover completamente da internet a liberdade de expressão”. “Este foi um ataque coordenado dos gigantes da tecnologia [Amazon, Google e Apple] para matar a concorrência no mercado. Nos tornamos bem-sucedidos demais, rápido demais”, afirmou.

publicidade
App do Parler deixou de funcionar após a Amazon suspender o serviço de hospedagem. Imagem: The Verge
App do Parler deixou de funcionar após a Amazon suspender o serviço de hospedagem. Imagem: The Verge

Segundo Matze, a empresa estava preparada para uma situação como esta e poderá se reerguer com uma nova infraestrutura livre dos serviços da Amazon.

Na última sexta-feira (8) o Google removeu o app do Parler de sua loja. Um dia depois, foi a vez da Apple remover o aplicativo da App Store. Em uma nota ao site MacRumors, a Apple afirmou: “sempre suportamos a representação de pontos de vista diversos em nossa App Store, mas não há lugar em nossa plataforma para ameaças de violência e atividade ilegal. O Parler não tomou as medidas adequadas para conter a proliferação destas ameaças à segurança das pessoas. Suspendemos o Parler da App Store até que estas questões estejam resolvidas”.

Acertando no bolso

Outra empresa de tecnologia norte-americana reagiu com sanções após a invasão do capitólio. A Stripe anunciou que irá suspender o processamento de pagamentos no site de campanha de Trump. Após as eleições o site vinha sendo usado para arrecadar fundos para cobrir as despesas legais com as tentativas de reverter o resultado e anular a vitória de Joe Biden.

Usuários do Stripe concordam que não aceitarão pagamentos relacionados a “atividades de alto risco”, incluindo quaisquer empresas ou organizações que “participam, encorajam, promovem ou celebram violência ou dano físico a pessoas e propriedade”, diz o site,

Fonte: The Verge