A Agência Nacional de Vigilância Sanitária, a Anvisa, decidiu não avaliar neste domingo o pedido de uso emergencial da vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V.

O pedido de uso emergencial foi feito pela União Química, que pretende produzir o imunizante no Brasil. A expectativa era aplicar 10 milhões de doses da vacina no primeiro trimestre deste ano.

publicidade

Segundo a Anvisa, o pedido da União Química para a liberação do uso emergencial foi negado porque a documentação apresentada não atendeu “os critérios mínimos, especialmente pela falta de autorização para a condução dos ensaios clínicos da fase 3”.

A entrega de resultados destes ensaios é uma das condições para a autorização do uso emergencial do imunizante aqui no Brasil.

O Fundo Russo de Investimento Direto, que promove a Sputnik V globalmente, disse em nota que o pedido de informações adicionais é um procedimento padrão e “não significa que uma oferta de registro foi rejeitada”.

Segundo o fundo, as informações solicitadas pela Anvisa para aprovação emergencial do imunizante serão enviadas “em breve”.