Um planeta com três sóis. Essa é a mais recente descoberta estranha dos confins do Espaço. E isso sem contar que ele tem um ângulo orbital inusitado.

Conhecido como Planeta KOI-5Ab, ele foi descoberto há 11 anos. A responsável pelo encontro do corpo celeste foi a missão New Kepler, da Nasa. Essa mesma missão encontrou muitos outros planetas e, com isso, várias descobertas acabaram esquecidas. O KOI-5Ab foi uma delas.

publicidade

Até que a equipe do Exoplanet Science Institute, da Nasa, decidiu dar uma olhada no que havia sido categorizado como informação desnecessária. David Ciardi, o cientista-chefe da entidade, diz que o “KOI-5Ab foi abandonado porque era complicado. Como encontramos novidades todos os dias, ele acabou esquecido”.

Um dos aspectos mais interessantes do novo planeta é que ele orbita ao redor de três estrelas. Segundo os especialistas, isso é muito difícil de encontrar. E tem mais: sua órbita tem um ângulo inclinado.

Segundo Ciardi, não há muitos planetas conhecidos em sistemas de três estrelas. “Ainda temos muitos questionamentos sobre como e quando os planetas compõem arranjos de múltiplas estrelas, bem como quais são suas propriedades. Estudar essa peculiaridade pode nos ajudar a aprender sobre como o universo cria os planetas.”

Os estudiosos já descobriram que o KOI-5Ab e suas três estrelas não foram formados ao mesmo tempo – algo bastante raro. Já para explicar seu ângulo enviesado incomum, a teoria é de que uma de suas três estrelas interferiu em sua órbita e levou sua gravidade para outro plano.

Planetas parecidos com a Terra

A missão Kepler procura, majoritariamente, por planetas parecidos com a Terra e maiores do que ela. Idealmente, ela quer encontrar planetas que possam ser considerados habitáveis, ou seja, aqueles em que há a presença de água líquida.

Já faz anos que a Kepler explora e pesquisa a Via Láctea. Muitos planetas parecidos com a Terra, tanto maiores quanto menores, já foram localizados e classificados como possivelmente habitáveis. Além disso, a missão já descobriu bilhões de estrelas na galáxia que podem ser parte dos sistemas desses planetas. 

Via: TechTimes