A Amazon irá pagar US$ 61,7 milhões (R$ 331,3 milhões) à Comissão Federal de Comércio (FTC, Federal Trade Commission) dos EUA, por não repassar integralmente aos motoristas do serviço de entregas Amazon Flex o valor total das gorjetas que recebiam dos consumidores.

O Amazon Flex é um programa em que motoristas particulares se cadastram para fazer entregas de mercadorias de serviços da Amazon como o Prime Now e AmazonFresh. Ao anunciar o serviço aos motoristas, a Amazon afirmava que eles receberiam de US$ 18 a US$ 25 por hora de trabalho, mais o valor total das gorjetas dadas pelos consumidores. A empresa também dizia a estes que 100% do valor das gorjetas seria repassado aos motoristas.

publicidade

Mas segundo Daniel Kaufman, diretor em exercício do Bureau de Proteção ao Consumidor da FTC, “em vez de repassar 100% das gorjetas dos clientes aos motoristas, como havia prometido, a Amazon usou o dinheiro em benefício próprio”.

Basicamente, a empresa passou a pagar um valor menor por hora aos motoristas, e usava o valor das gorjetas para completar os US$ 18 a 25 prometidos. A empresa não só não notificou os motoristas sobre a mudança em seu plano de pagamento, como tomou medidas para ocultá-la.

Motoristas do Amazon Flex fazem fila para retirar pacotes em um depósito da Amazon em Irvine, Califórnia, nos EUA

Um funcionário da empresa relatou aos colegas que a Amazon “não queria comunicar quaisquer mudanças de preços aos motoristas, então estamos apenas ‘reagindo’ a quaisquer perguntas”. Como resultado, US$ 61.710.583,00 deixaram de ser repassados aos motoristas parceiros.

Mesmo depois da mudança, a empresa continuou a prometer aos motoristas e clientes que 100% das gorjetas seriam repassadas aos motoristas. De acordo com a queixa na FTC, a Amazon continuou a usar o novo sistema de pagamento, apesar das reclamações dos motoristas e cobertura negativa da mídia, até agosto de 2019.

Ela só parou depois que foi notificada de que estava sob investigação pela FTC. Então a empresa voltou a ter um modelo em que paga aos motoristas um valor base mais 100% das gorjetas e passou a dar aos motoristas um relatório detalhado de seus pagamentos, incluindo a divisão entre o valor fixo e as gorjetas.

O dinheiro pago pela Amazon à FTC será usado para compensar os motoristas do Amazon Flex. Além disso, a empresa será proibida de fazer declarações enganosas sobre a provável renda de qualquer motorista, quanto de suas gorjetas será pago a eles, bem como se o valor pago por um cliente é uma gorjeta.

A Amazon também estará proibida de fazer qualquer alteração na forma como as gorjetas do motorista são usadas como compensação sem primeiro obter o consentimento expresso deste.

Fonte: FTC