O Instituto Butantan ganhou novo fôlego na produção da CoronaVac. Chegou na noite de quarta-feira (3) o insumo farmacêutico ativo (IFA) da vacina, que estava preso na China após em um imbróglio diplomático entre o governo local e o brasileiro.

O material desembarcou no fim da noite no Aeroporto de Viracopos, em Campinas. São 5,4 mil litros do IFA que serão imediatamente direcionados para envase no Butantan e devem render 8,6 milhões de doses que serão entregues ao Plano Nacional de Imunizações do Ministério da Saúde, para distribuição a todo o país.

publicidade

Dimas Covas, diretor do Butantan, afirma que a projeção é de que seja possível envasar esse volume em questão de 20 dias, então ao fim de fevereiro elas já devem estar prontas para aplicação distribuição.

Além do carregamento desta semana, o Butantan aguarda a chegada de mais um lote do IFA na próxima. Está acordado que no dia 10 de fevereiro, na próxima quarta-feira, chegarão mais 5,6 mil litros do produto, que devem ser suficientes para mais 8,7 milhões de doses da CoronaVac.

Além disso, também já está em negociação a entrega de mais um lote de 8 mil litros do IFA, que ainda não tem data para chegar. A expectativa do Butantan é de entregar as 46 milhões de doses previstas na primeira fase do acordo com o laboratório chinês Sinovac até abril deste ano. Todo esse volume será destinado ao Ministério da Saúde.

O acerto com a Sinovac ainda prevê outras 54 milhões de doses, que permitirão alcançar um total de 100 milhões. O instituto espera que possa concluir a entrega dessas doses até setembro.

Além disso, com a previsão da conclusão das obras de ampliação da fábrica do instituto para o segundo semestre e a conclusão da transferência de tecnologia, o Butantan deve alcançar independência na produção da CoronaVac, sem depender de novas remessas do IFA para envase. A fase autônoma da produção em escala está prevista para janeiro de 2022, com expectativa de 100 milhões de doses por ano.