EnglishPortugueseSpanish

O sistema imunológico das crianças as protege de casos graves de Covid-19. É o que aponta um estudo conduzido pelo instituto de pesquisa australiano Murdoch Children’s Research Institute (MCRI) e publicado na revista Nature Communications.

De acordo com a pesquisa, o sistema imunológico inato dos pequenos é mais rápido para atacar o vírus em comparação com o dos adultos. Melanie Neeland, médica do MCRI, afirma que já era possível observar que as ocorrências de Covid-19 em crianças eram mais leves, mas ainda não se sabia quais mecanismos imunológicos sustentavam essa proteção. “As crianças têm menos probabilidade de se infectar com o vírus e até um terço delas são assintomáticas. Isso é muito diferente da maior prevalência e gravidade observada nos pequenos para outros vírus respiratórios”, afirma.

publicidade

O estudo foi realizado em Melbourne, na Austrália, e envolveu análises de 48 crianças e 70 adultos de 28 domicílios diferentes infectados ou expostos ao novo coronavírus. As respostas foram monitoradas durante a fase aguda da infecção e até dois meses após a exposição. “Compreender as diferenças subjacentes relacionadas à idade na gravidade da Covid-19 deve fornecer informações e oportunidades importantes para prevenção e tratamento até mesmo para pandemias futuras”, diz Melanie.

Vacina de Oxford será testada em crianças
Sistema imunológico de crianças evita que o vírus chegue aos tecidos. Crédito: Melinda Nagy/Shutterstock

Vírus da Covid-19 é eliminado antes de se instalar

Melanie reforça que a velocidade na apresentação de uma resposta imune no organismo das crianças é crucial para que os casos sejam mais leves. Segundo ela, o estudo sugere que as células que lutam contra infecções eliminam rapidamente o vírus e não permitem sequer que ele se instale nos tecidos. 

Essa reação não é observada em adultos. “A infecção por coronavírus em crianças foi caracterizada pela ativação de neutrófilos — glóbulos brancos especializados que ajudam a curar tecidos danificados e resolvem infecções —, e pela redução de células imunológicas de primeira resposta, como monócitos, células dendríticas e células assassinas naturais do sangue.” 

Os resultados reforçam a conclusão de uma pesquisa anterior do MCRI, que descobriu que três crianças desenvolveram respostas imunes semelhantes após serem expostas por um longo período ao novo coronavírus. Na ocasião, os pais tiveram diagnóstico positivo de Covid-19, mas os testes dos pequenos apresentavam resultados negativos. Para os pesquisadores, isso é um sinal de que eles foram capazes de criar uma resposta imunológica altamente eficaz para impedir a replicação do vírus. 

Fonte: Medical Press 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!