EnglishPortugueseSpanish

Em 2020, um dos cabos de fibra óptica do Google detectou atividades estranhas ao verificar distorções em pulsos de luz ao longo de sua extensão. Isso levou a pesquisas que concluíram que, um dia, os cabos de dados submarinos poderão ajudar a detectar terremotos. 

A intenção dos pesquisadores é tornar o monitoramento sísmico dos oceanos mais barato. “Já existe essa infraestrutura de cabos de telecomunicações por aí. Se você puder transformá-los em sensores, isso é maravilhoso”, diz Zhongwen Zhan, professor assistente de geofísica do Instituto de Tecnologia da Califórnia.

publicidade

No futuro, além de detectar essas anomalias, os cabos poderão emitir alertas antecipados sobre a aproximação de terremotos. Além de auxiliar em estudos sobre a ocorrência de abalos no fundo do mar.

Esse é um avanço importante. Afinal, atualmente quase todos os sensores que detectam terremotos estão em terra. Então, os cabos submarinos podem preencher lacunas consideráveis na capacidade dos cientistas de observar atividades sísmicas.

Cabo submarino
Cabos submarinos poderão ajudar a prever tsunamis. Créditos: Shutterstock

Cabos também podem alertar sobre tsunamis

A equipe de Zhan documentou cerca de 20 terremotos, entre moderados e grandes, entre dezembro de 2019 e setembro de 2020 em uma área coberta por 10.500 Km de cabos do Google. A região vai de Los Angeles, nos EUA, a Valparaíso, no Chile.

Além dos terremotos, os cabos também captaram ondas causadas por tempestades marítimas. Isso pode sugerir que eles também poderão detectar tsunamis desencadeados por terremotos. “Esperamos que essa abordagem possa dar às pessoas mais chance de perceber esses eventos no início, para que tenham mais tempo para reagir”, declara Zhan.

Em nota, o Google se mostrou animado em colaborar com os esforços. “Estamos entusiasmados com a possibilidade de usar toda a nossa infraestrutura de cabos para oferecer mais benefícios sociais”, informa um post no blog da empresa.

Via: The Verge 

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!