EnglishPortugueseSpanish

Com a pandemia do coronavírus, comprar produtos através de plataformas online se tornou ainda mais corriqueiro, o que está apresentando riscos para lojas físicas. A Best Buy, varejista norte-americana de produtos eletrônicos, anunciou a demissão de 5 mil funcionários e fechamento de lojas da companhia.

Outra gigante do setor, a Fry’s Electronics anunciou recentemente que fecharia todas as lojas, encerrando quase quatro décadas de atividade. Um dos principais motivos pela crise dessa área do mercado é a crescente de varejistas online, como a Amazon.

publicidade

A Best Buy relatou que espera que 40% das suas vendas sejam feitas pela internet, representando um crescimento de 11% em relação a dois anos atrás. A empresa afirmou que precisava alterar sua força de trabalho em reposta a mudança do mercado.

Best Buy anuncia o fechamento de lojas. Imagem: Shutterstock

Segundo a CEO da empresa, Corie Barry, as demissões fazem parte do plano de ajustar o número de funcionários contratados por meio período, pois a maioria dos demitidos trabalham em tempo integral. Barry relatou que serão adicionados aproximadamente dois mil novos cargos de meio período na empresa.

A varejista, que possui cerca de mil lojas físicas nos EUA, fechou 40 unidades nos últimos dois anos e pretende fechar um número maior em 2021. A CEO disse que a corporação está avaliando o papel que cada loja desempenha, o que levantará limites mais altos para a renovação de aluguéis.

Corie Barry, CEO da Best Buy. Imagem: Redes Sociais

A Best Buy também planeja usar mais espaço nas lojas para atender aos pedidos de entrega em domicílio. A varejista está testando novos layouts de loja que reduzem o tamanho das áreas de vendas e expandem o espaço dedicado aos pedidos de remessa.

Apesar dos recentes anúncios, a Best Buy teve um aumento de 12,6% nas vendas durante o trimestre finalizado em janeiro. Os números apontam uma vitória da empresa durante a pandemia, provavelmente porque a população está trabalhando e cozinhando mais em casa.

Via: CNN Business

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!