Depois da Volkswagen, da Volvo e da Scania, agora é a vez da Mercedes-Benz anunciar que irá interromper as atividades produtivas das suas fábricas de veículos no Brasil por causa do agravamento da pandemia de Covid-19. A medida afetará as unidades de São Bernardo do Campo (SP) e Juiz de Fora (MG) a partir do próximo dia 26, com retorno previsto para 5 de abril.

A decisão foi tomada em alinhamento com o Sindicato dos Metalúrgicos, e de acordo com a montadora o objetivo é “contribuir com a redução de circulação de pessoas neste momento crítico no país, administrar a dificuldade de abastecimento de peças e componentes na cadeia de suprimentos, além de atender a antecipação de feriados por parte das autoridades municipais”.

Caso as medidas restritivas permaneçam após 5 de abril, serão concedidas férias coletivas para grupos alternados de funcionários, de acordo com o planejamento das fábricas. “Assim, teremos um grupo de produção menor mantendo os protocolos de distanciamento, mas continuaremos a atender os nossos clientes com nossos produtos e serviços”.

Leia também:

publicidade
Fábrica da Mercedes-Benz no Brasil. Imagem: Mercedes-Benz/Divulgação
Fábricas da Mercedes-Benz no Brasil fecharão nesta sexta-feira (26) e só devem reabrir depois do dia 5 de abril. Imagem: Mercedes-Benz/Divulgação

Já a rede de concessionários e suas oficinas “permanecerão em funcionamento seguindo todas as medidas preventivas”, de acordo com a empresa, com exceção daquelas localizadas em estados ou cidades em que há orientação do poder público de interrupção das atividades. Funcionários administrativos continuam trabalhando em regime de home office. Ao todo, a companhia emprega cerca de 10 mil profissionais no Brasil.

“Há mais de um ano, desde o início da pandemia da Covid-19 no Brasil, a Mercedes-Benz e toda sua Rede de Concessionários tem se adaptado para atender a todos os protocolos da Organização Mundial da Saúde (OMS). O nosso objetivo tem sido garantir um ambiente seguro aos nossos colaboradores, familiares e clientes sem deixar de atender à população por meio de nossos produtos e serviços”, afirma a nota oficial da empresa.

Mobilização geral

Mais cedo nesta terça-feira (23), a fabricante de caminhões e ônibus Volvo anunciou que pretende reduzir em 70% suas atividades na fábrica localizada em Curitiba. A medida deve atingir em torno de dois mil funcionários envolvidos na produção de caminhões, chassis para ônibus e peças.

A empresa sueca possui em torno de 3,7 mil funcionários em sua unidade na capital do Paraná, no entanto, quase 1,5 mil deles, dos setores administrativos, já estão trabalhando em regime de home office.

Já a Scania, suspenderá totalmente suas atividades na fábrica de São Bernardo do Campo, na região do ABC paulista, a partir da próxima quinta-feira (25) e, inicialmente, retomará as atividades no próximo dia 5 de abril.

Volkswagen também já decidiu paralisar atividades. Crédito: Volkswagen/Divulgação
Volkswagen também já decidiu paralisar atividades. Crédito: Volkswagen/Divulgação

Já a Volkswagen paralisou a produção das fábricas de São Bernardo do Campo, Taubaté e São Carlos, no estado de São Paulo, e São José dos Pinhais, no Paraná. A suspensão começa na próxima quarta-feira (24). Por enquanto, a expectativa da montadora é retomar as atividades no dia 5 de abril, 12 dias depois. Apenas atividades essenciais continuam nas fábricas. Funcionários dos setores administrativos vão trabalhar de casa.

Em nota, o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC informou que a intenção é convencer mais montadoras instaladas no polo industrial do ABC Paulista paralisem suas atividades a fim de garantir a segurança sanitária dos funcionários. A região ainda conta com uma fábrica da Toyota.