Quem nunca pensou em viver fora da Terra? Apesar de incrível, nosso planeta muitas vezes nos oferece coisas não muito legais, a maior parte causada por nós mesmos. Ou como a pandemia do coronavírus. Pensando nisso, um grupo de astrônomos italianos elaborou um estudo apontando qual o lugar mais seguro para se viver em toda Via Láctea.

De acordo com a pesquisa, é importante olharmos para o centro da galáxia quando formos pensar em deixar a Terra. Os astrônomos chegaram nesta conclusão analisando lugares onde explosões cósmicas, como supernovas e rajadas de raio gama, possam ter matado espécies de vida ao expelir partículas de alta energia e radiação que fragmentam o DNA.

publicidade

Levando essa lógica em consideração, os astrônomos decidiram buscar os lugares mais seguros na história de 11 bilhões de anos da galáxia, ou seja, aqueles que estão longe de explosões. O resultado dessa busca aponta que estamos próximos a vizinhos hospitaleiros.

Porém, só estar longe de explosões não é o suficiente. Também é necessário que o próximo local habitável esteja em uma zona onde o calor e a atividade da estrela hospedeira sejam médias, nem forte e nem fraca. Além disso, também é necessário que o lugar consiga combater a radiação prejudicial vinda do espaço interestelar.

Para encontrar esse ponto seguro da Via Láctea, os astrônomos utilizaram modelos de formação e evolução, calculando quando regiões da galáxia seriam invadidas por radiação mortal. A pesquisa mostrou que durante anos a zona central era tomada por explosões, mas que com o envelhecer da galáxia, o cenário foi alterado.

Hoje, as regiões intermediárias no centro da galáxia são as áreas mais seguras para a vida. Mais perto do centro, supernovas e outros eventos ainda são comuns e, nos arredores, há menos planetas terrestres e mais explosões de raios gama. Felizmente, nossa “vizinhança galáctica” está se tornando cada vez mais favorável à vida. E, no futuro de longo prazo, haverá menos eventos extremos que poderiam causar outra extinção em massa.

Quem sabe um dia a gente encontra um “vizinho” bem hospitaleiro, não é??