De acordo com um estudo publicado na Scientific Reports, na época da Copa do Mundo de 2014, realizada no Brasil, especificamente na final entre Alemanha e Argentina, a taxa de internações por ataques cardíacos, bem como a mortalidade devido ao problema, foi consideravelmente mais alta em comparação com o mesmo período – 12 de junho a 13 de julho – dos anos anteriores e subsequentes (2013 e 2015).

Karsten Keller, autora do estudo, e sua equipe analisaram os números de ataques cardíacos – ou infarto do miocárdio (MI) – em quatro períodos: durante a Copa do Mundo, de 12 de junho a 13 de julho de 2014, e durante os três mesmos períodos sem grandes eventos de futebol nos anos de 2013, 2015 e, ainda em 2014, pouco depois do final da Copa do Mundo.

publicidade
Time da Alemanha na final da Copa do Mundo de 2014. Imagem: AGIF/Shutterstock

Leia mais!

Resultados

Não foi detectada diferenças no número total de pacientes que sofreram ou morreram por infarto nos meses de junho e julho de 2011 a 2015, exceto pelo mesmo período de 2014. De acordo com os dados, houve 18.479 internações por infarto do miocárdio na Alemanha durante a Copa de 2014, um número 3,7% maior do que durante o mesmo período em 2015, com 17.794 internações. Um aumento na taxa de mortalidade também foi observada, subindo de 7,9% para 12% no último dia de jogo.

Em relação a 2013, os números foram 2,1% maiores (18.089 internações) e 5,4% superiores ao período pós-Copa (14 de julho a 14 de agosto), que registrou 17.482 internações. Características como fatores de risco cardiovascular ou comorbidades não foram notadas entre os pacientes.

O estudo concluiu que os jogos de forma geral que envolveram o time da Alemanha na Copa do Mundo de 2014 não afetaram as taxas de internações e mortalidade durante todo o campeonato, somente a final, que terminou 1 a 0 na prorrogação.

Para os pesquisadores, a descoberta sugere que o estresse causado por grandes eventos esportivos pode afetar as pessoas muito mais do que elas imaginam, levando-as ao infarto. O grupo acredita que o estudo pode ser uma ferramenta para planejar maneiras de alertar e capacitar hospitais e profissionais da saúde em épocas com eventos que podem gerar grandes emoções como excitação, estresse e raiva.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!