A empresa de entretenimento Amblin Partners, fundada pelo diretor, produtor e roteirista Steven Spielberg, assinou um contrato de parceria com a Netflix. Junto à companhia do renomado diretor, a plataforma de streaming pretende lançar vários filmes pelos próximos anos.

De acordo com o jornal The New York Times, os detalhes do contrato ainda não foram divulgados. O que se sabe até agora é que essa nova parceria não muda o acordo entre a Amblin e a Universal Pictures, com a qual renovou o contrato em 2020 por cinco anos.

publicidade

Leia mais:

‘Jurassic World – Domínio’, título a ser lançado em junho de 2022, segue com a distribuição da Universal, por exemplo. Outros filmes recentes da Amblin como ‘Green Book’ (2018) e ‘1917’ (2019) também chegaram aos cinemas através da distribuidora.

O acordo entre as duas empresas também envolve o fornecimento de três a cinco filmes por ano para o estúdio e a subsidiária Focus Features. Já na época deste novo contrato, as companhias afirmaram que ele proporcionaria à Amblin “novas oportunidades no mercado de streaming de filmes”, já sugerindo o que se confirma agora.

Para a Netflix fica definido o trabalho com Spielberg, um dos maiores defensores dos filmes nas telonas. O diretor destacou, em comunicado nesta segunda, as reuniões com Ted Sarandos, codiretor-executivo e diretor de conteúdo da plataforma de streaming.

O diretor Steven Spielberg é um grande defensor dos cinemas. Imagem: Twentieth Century Fox/Divulgação

“Na Amblin, a narração de histórias estará para sempre no centro de tudo o que fazemos, e desde o minuto em que Ted e eu começamos a discutir uma parceria, ficou muito claro que tínhamos uma oportunidade incrível de contar novas histórias juntos e alcançar o público de novas maneiras”, disse Spielberg.

Um dos motivos que levaram a Amblin ao acordo com a Netflix é o alcance da plataforma, que tem mais de 200 milhões de assinantes no mundo. Eis a grande mudança na mentalidade do diretor. Em 2019, surgiram boatos em Hollywood que ele queria propor à Academia que mudasse as regras do Oscar, impedindo filmes que estreiam primeiro no streaming de concorrer.

Logo em seguida, em comunicado ele minimizou, afirmando que deseja que as pessoas encontrem entretenimento do modo que lhes convir. Mas defendeu a vida longa aos cinemas.

“Tela grande, tela pequena – o que realmente importa para mim é uma ótima história e todos deveriam ter acesso a ótimas histórias. Quero ver a sobrevivência dos cinemas. Quero que a experiência do cinema permaneça relevante em nossa cultura”, destacou Spielberg.

Via: The New York Times

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!