A propagação do vírus que desencadeou a pandemia da Covid-19 em níveis tão altos ainda é desconhecida devido à proporção da infecção subclínica, sendo assim, medir a soroprevalência é importante para melhorar o conhecimento sobre o impacto do coronavírus em pacientes reumáticos. Os dados compartilhados no congresso EULAR de 2021 destacaram que a disseminação da infecção SARS-CoV-2 é muito maior do que a observada pelos testes diagnosticados por esfregaço, que é mais consistente na população saudável.

Como parte do projeto Mainstream, Favalli e colegas conduziram um estudo transversal de soroprevalência entre 4 de maio e 16 de junho de 2020 para estimar a prevalência de anticorpos da Covid-19 em uma grande coorte de pessoas com artrite reumatóide (AR) ou espondiloartrite ( SpA) tratados com drogas anti-reumáticas modificadoras de doenças sintéticas ou biológicas naLombardia, localizada na Itália.

publicidade

Ao longo desse tempo, 300 pessoas foram testadas para anticorpos IgG, IgM e IgA contra três antígenos virais – nucleoproteína, proteína spike e o domínio de ligação ao receptor. Esses dados foram comparados com os observados na população saudável no mesmo período e região. Todos os participantes também preencheram um questionário para coletar informações sobre os sintomas consistentes com Covid-19.

No geral, 65% das pessoas que participaram tinham AR, 23% tinham artrite psoriática e 21% tinham espondilite anquilosante. A maioria das pessoas estava sendo tratada com inibidores do fator de necrose tumoral (TNFi; 57%), e o restante estava recebendo abatacept (20%), inibidores da interleucina-6 (IL-6i; 11%) ou inibidores da janusquinase (JAKi; 5%) .Das 300 pessoas, 4 tinham diagnóstico prévio de Covid-19 definido por swab nasofaríngeo.

Os títulos de imunoglobulinas foram avaliados resultando em 9%, 13,6% e 13,3% de pacientes positivos para IgG, IgM e IgA, respectivamente, e não houve diferença significativa para a população saudável. Entre os soropositivos, 55,3% eram assintomáticos, 16% apresentavam sintomas leves e 19,6% maiores, 7,1% foram hospitalizados. 

Nenhuma morte ou admissão em terapia intensiva ocorreu. Os títulos de IgM, IgG e IgA para o domínio de ligação ao receptor do vírus foram maiores em pacientes com sintomas menores e maiores em comparação com os assintomáticos. Além disso, não foram encontradas diferenças entre pacientes soronegativos e soropositivos em relação à idade, sexo, diagnóstico reumático e tratamento com corticosteroides.

Este estudo confirma que, mesmo em uma coorte de pacientes reumáticos, a disseminação da infecção por Covid-19 é muito maior do que a observada capturando apenas casos com diagnóstico de swab. A doença reumática subjacente e a terapia em andamento não parecem afetar a positividade do anticorpo.

Leia mais:

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!