O Programa Nacional de Imunização ainda não anunciou datas para a vacinação de crianças e adolescentes contra a Covid-19 no Brasil, mas estados e municípios já planejam imunizar esse grupo no próximo mês. Até o momento, apenas a vacina da Pfizer foi autorizada pela Anvisa para ser administrada em menores de idade. O Instituto Butantan, porém, tenta tornar a CoronaVac uma opção viável para acelerar o fim da pandemia.

A CoronaVac já teve seu uso aprovado em crianças e adolescentes na faixa de 3 a 17 anos na China e na Indonésia. No Brasil, a vacina de insumo chinesa, produzida em parceria com o Instituto Butantan, só obteve consentimento da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para uso emergencial em adultos.

publicidade

Existe, porém, uma grande preocupação com o andamento da vacinação no Brasil. O Programa Nacional de Imunização (PNI) caminha a passos lentos por aqui, visto que o país ainda não terminou de vacinar com ao menos uma dose os adultos que têm mais de 18 anos.

Atualmente, das quatro vacinas disponíveis no Brasil, apenas a da Pfizer está autorizada pela Anvisa para ser utilizada em crianças e adolescentes. Acontece que essas vacinas pertencem ao Ministério da Saúde e ainda não há uma perspectiva de iniciar a vacinação nessa faixa etária pelo PNI.

O Instituto Butantan e os governos locais tentam mobilizar uma aceleração desse processo de imunização para o mês de agosto. Estados como São Paulo possuem quantidades próprias de imunizantes, portanto só dependem da aprovação da Anvisa para iniciar a vacinação. Para isso, executivos da CoronaVac buscam alternativas com a documentação de crianças e adolescentes.

O Ministério da Saúde e a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBim), criticam a pressão de “cunho político” dos estados e municípios brasileiros. Eles consideram precipitado anunciar a vacinação de adolescentes quando o Brasil sequer encerrou a vacinação de adultos e o PNI ainda não definiu sobre a inclusão de menores de idade.

De acordo com a Anvisa, o Butantan ainda não solicitou a ampliação do uso emergencial da CoronaVac para as crianças e adolescentes. Dessa forma, não há como indicar o tempo necessário para a aprovação (ou não) da vacina para uma nova faixa etária.

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, por sua vez, afirma que já enviou à agência os dados preliminares da CoronaVac na China, testada em menores de 18 anos. Resta aguardar a inclusão de novas informações para formalizar o pedido de utilizar a vacina em crianças e adolescentes brasileiros.

“Uma parte da documentação deve chegar da China até este fim de semana. Esperamos que essa documentação seja suficiente para a avaliação da Anvisa. E, com isso, a gente completa a formalização dessa inclusão”, disse Covas.

CoronaVac
Instituto Butantan quer acelerar a vacinação em massa no Brasil, incluindo a CoronaVac no programa de vacinação para crianças e adolescentes. Créditos: Shutterstock

A CoronaVac é segura para crianças e adolescentes?

No final de junho, a revista “The Lancet” divulgou um artigo a respeito da aplicação da CoronaVac em crianças e adolescentes na China. O estudo indicou que o imunizante é totalmente seguro e induz resposta imune satisfatória nesse grupo etário.

A Anvisa confirma que teve acesso a esse estudo, bem como a outras informações prévias enviadas pelo Instituto Butantan. A agência esclareceu, no entanto, que a inclusão de uma nova indicação em bula não é automática, pois requer uma análise mais detalhada.

“O objetivo dessas análise é verificar se os dados sustentam o uso por determinada faixa etária com eficácia e segurança”, afirmou a Anvisa em nota.

A agência ressaltou ainda que tem feito uma interlocução constante com os laboratórios e acompanhado os estudos publicados para dar agilidade aos processos.

Leia também!

Da mesma maneira, o Programa Nacional de Imunização afirma estar em ação para vacinar os menores de idade no país. “É claro que, a partir do momento que tenha a inclusão da CoronaVac para crianças e adolescentes também, a gente vai rever o nosso calendário”, assegurou Regiane de Paula, coordenadora do PEI.

Especialistas acreditam que a Anvisa pode aceitar o estudo da China se ele estiver bem feito e detalhado, indicando informações como efeitos adversos, quantidade utilizada, entre outros pontos. Não há, porém, uma previsão de quando essa urgente aprovação pode acontecer.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!