O lugar onde as pessoas moram podem afetar diretamente a saúde, sem contar que possuem desdobramentos na saúde mental também. Isso porque, a estrutura do bairro faz diferença na hora de proporcionar ambientes seguros e para a prática de atividades físicas.

Pontos como a confortabilidade de andar sozinho, calçadas irregulares ou em mau estado e má qualidade do ar são importantes para motivar as pessoas a se cuidarem mais.

publicidade

Um relatório de 2018 do Conselho Metropolitano de Governos de Washington, nos Estados Unidos, destaca outras disparidades nos bairros: maior mortalidade infantil, pobreza infantil, desemprego, moradia mais velha e jornadas de trabalho mais longas.

Com isso, existem inúmeras pesquisas que enfatizam como as condições em que as pessoas vivem, trabalham, aprendem e se divertem afetam sua saúde, principalmente o coração e o cérebro. 

Um elemento básico desses chamados determinantes sociais da saúde é a vizinhança, com fatores no lugar como:

  • Segurança habitacional; 
  • Acesso a alimentos saudáveis, transporte e cuidados de saúde; 
  • Oportunidades de atividade física;
  • Exposição a poluentes e ruído. 

A falta de segurança pública no lugar, junto com a desorganização social e a exposição a altos níveis de crimes violentos também foram associados a aumentos no risco de AVC.

“Todos esses fatores juntos aumentam a vulnerabilidade de uma pessoa às doenças cardiovasculares, especialmente em bairros mais pobres “, disse Mustafa Hussein, professor da Escola de Saúde Pública Joseph J. Zilber da Universidade de Wisconsin-Milwaukee.

Em 2017, ele liderou um estudo publicado que descobriu que pessoas com baixo nível socioeconômico tinham 60% mais risco de ter um ataque cardíaco ou derrame do que aquelas com alto nível socioeconômico, com pelo menos um terço do risco extra atribuível às condições da vizinhança.

Leia também!

Esse é um tema que organizações como a National Complete Streets Coalition foca em abordar. O grupo está trabalhando para transformar estradas em todo o país para tornar mais fácil e seguro caminhar, andar de bicicleta, usar dispositivos auxiliares como andadores e acessar o transporte público. 

As soluções incluem calçadas, ciclovias ou acostamentos mais largos, faixas de ônibus e pontos de transporte mais confortáveis ​​e acessíveis. Até o momento, 35 governos estaduais e o Distrito de Columbia adotaram as políticas da Complete Street. 

Além disso, “envolver os residentes é um passo importante – e muitas vezes esquecido, na revitalização do bairro”, contou a Dra. Tiffany Powell-Wiley, chefe do Laboratório de Determinantes Sociais de Obesidade e Risco Cardiovascular do National Heart. 

Isso porque muitas vezes, as decisões em comunidades com poucos recursos são tomadas sem a contribuição das pessoas que moram lá, resultando em residentes de baixa renda sendo expulsos quando as melhorias do bairro o tornam mais atraente para os de fora.

“Se uma nova política está sendo implementada em torno do desenvolvimento comunitário, precisamos garantir que diferentes populações raciais e étnicas se beneficiem igualmente”, argumentou Tiffany.

Mas as estratégias para reduzir os riscos à saúde do coração e do cérebro – como a promoção de mudanças no estilo de vida – não podem beneficiar totalmente as pessoas em comunidades com recursos insuficientes até que os desafios estruturais subjacentes sejam resolvidos, disse Hussein.

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!