Um estudo da UCLA mostra que o tempo quente aumenta significativamente o risco de acidentes e lesões no trabalho, independentemente do trabalho ser realizado em ambiente interno ou externo. Ademais, o relatório é baseado em dados do sistema de compensação de trabalhadores da Califórnia, o maior do país.

“A incidência de doenças causadas pelo calor, como exaustão e insolação, definitivamente aumenta nos dias mais quentes”, pontuou o pesquisador principal do estudo R. Jisung Park, professor assistente de políticas públicas na Escola de Relações Públicas Luskin da UCLA. 

publicidade

“Mas o que descobrimos é que incidentes aparentemente não relacionados – como cair de uma escada, ser atropelado por um caminhão em movimento ou ficar com a mão presa em uma máquina – tendem a ocorrer com mais frequência em dias mais quentes também”, continuou Park.

Ao comparar os registros de mais de 11 milhões de pedidos de indenização por acidentes de trabalho na Califórnia de 2001 a 2018 com dados meteorológicos locais de alta frequência, Park e sua equipe isolaram o impacto de dias mais quentes no número de pedidos de indenização por lesões.

O estudo mostra que em dias com altas temperaturas, os trabalhadores têm um risco 6% a 9% maior de lesões. Quando o termômetro chega a 100, o risco de lesões aumenta em 10% a 15%.

Essas descobertas são alarmantes no contexto da mudança climática, que deve produzir mais dias de alta temperatura a cada ano. Os pesquisadores estimam que as altas temperaturas já causam cerca de 15.000 feridos por ano na Califórnia.

“O calor às vezes é descrito como um assassino silencioso”, comentou Nora Pankratz, pós-doutoranda da UCLA. “Mas se você olhar os dados e fazer a análise estatística , descobrirá que o calor tem um impacto significativo na mortalidade e nos resultados de saúde”, completou.

Imagem: Xurzon – Istockphoto

O tempo quente condiciona ferimentos e doenças entre os trabalhadores em indústrias predominantemente ao ar livre, como agricultura, serviços públicos e construção. Porém, os dados mostram de forma consistente que os setores nos quais a maioria das pessoas trabalha em ambientes fechados também são afetados. 

Na fabricação, por exemplo, dias com altas temperaturas acima de 95°C têm um risco de lesão que é aproximadamente 7% maior do que dias com altas temperaturas abaixo de 60°C.

Segundo Patrick Behrer – autor do estudo e acadêmico de pós-doutorado da Universidade de Stanford – como as pessoas estão dentro de casa, não necessariamente pensam que a temperatura é uma grande ameaça. Isso porque a realidade é que trabalhadores superaquecidos enfrentam inúmeros riscos, independentemente de onde ocorra o trabalho.

“O calor afeta sua fisiologia e cognição. Afeta a capacidade de seu corpo para lidar com a situação. Parece possível que o que estamos observando nos dados desses trabalhadores é que eles estão mais propensos a cometer erros ou erros de julgamento”, explicou Park.

Os pesquisadores descobriram que lesões relacionadas ao calor no local de trabalho são mais prováveis ​​de serem sofridas por homens e também por trabalhadores de baixa renda. 

Além disso, os mais jovens sofrem mais lesões relacionadas ao calor, possivelmente porque são mais propensos a ter empregos com maiores riscos físicos em canteiros de obras, fábricas ou armazéns, por exemplo.

Sendo assim, para um funcionário de escritório que trabalha focado em escritório de computador, cochilar em uma tarde quente de verão pode não causar nenhum ferimentos. “Mas se você tem uma enorme serra elétrica na mão, não está em uma boa situação”, brincou Park.

Leia mais:

As conclusões do artigo foram:

  • O número de lesões relacionadas ao calor diminuiu depois de 2005, quando a Califórnia se tornou o primeiro estado a implementar medidas obrigatórias de prevenção de doenças causadas pelo calor em locais de trabalho ao ar livre;
  • Os custos financeiros de lesões relacionadas ao calor podem ser entre US$ 750 milhões e US$ 1,25 bilhão por ano, considerando despesas com saúde, perda de salários e produtividade e reivindicações por invalidez;
  • As desigualdades no mercado de trabalho são exacerbadas em parte pelo fato de que as comunidades de baixa renda tendem a se situar nas partes mais quentes do estado. Pessoas na faixa de renda familiar mais baixa do estado têm aproximadamente cinco vezes mais probabilidade de serem afetadas por doenças relacionadas ao calor ou lesões no trabalho do que aquelas na faixa de renda mais alta.

Fonte: Medical Xpress

 Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!