Dispositivos médicos feitos de vidros bioativos e metais que se dissolvem no final de sua vida útil podem substituir outros tipos de implantes, além de servirem para eliminar a necessidade de remoção invasiva, uma vez que tenham servido ao seu propósito. As informações são de acordo com os pesquisadores do Missouri S&T.

Os pesquisadores de C&T do Missouri receberam recentemente uma patente para seu implante. “O vidro é um excelente material para embalagens e camadas de substrato em dispositivos de estado sólido implantados, incluindo sensores e atuadores”, falou o Dr. Chang-Soo Kim, professor e coordenador de graduação em engenharia elétrica da Missouri S&T. 

publicidade

Isso porque “dependendo da combinação de materiais, é possível desenvolver um vidro bioativo que se degrada muito lentamente ou muito rapidamente, com base no tempo operacional necessário para o dispositivo”. Como pesquisador-chefe do projeto, Kim trabalhou com o Dr. Richard Brow, professor de engenharia cerâmica e vice-reitor no Missouri C&T e Dr. Delbert Day, professor em engenharia de cerâmica e inventor de vidros bioativos para tratamento de câncer, regeneração de tecido ósseo e cicatrização de feridas. 

Portanto, Kim projetou as funções elétricas dos dispositivos, e Brow e Day projetaram os óculos usados ​​nos implantes. O Dr. Matthew O’Keefe, ex-professor de engenharia metalúrgica da S&T, também contribuiu com a pesquisa.

Os implantes podem ser absorvidos novamente e beneficiam os pacientes porque eliminam a necessidade de cirurgia adicional para remover um sensor ou outro dispositivo funcional depois que ele não é mais necessário, explicou Kim. 

Além disso, ele diz que isso é especialmente importante porque os dispositivos biodegradáveis ​​são projetados para serem implantados no cérebro ou em outros órgãos nas profundezas do corpo. Kim informou que os implantes também podem ser usados ​​para administração de drogas ou cicatrização de tecidos.

“Os vidros bioativos são um ponto forte único do Missouri S&T”, comentou o Dr. Costas Tsatsoulis, responsável pela pesquisa e pós-graduação da S&T. De acordo com ele, “desde que o Dr. Day recebeu uma patente em 2002 para microesferas de vidro usadas em terapia de radiação, novos vidros bioativos têm desempenhado um papel importante na cura e na terapia médica.”

Leia mais:

Fonte: Medical Xpress

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!